Política

Ex-dirigente da Renamo defende um líder capaz de promover paz entre as alas política e militar

Raúl Domingos demonstra a sua opinião sobre o novo líder da Renamo. Relembra, também, que o partido não voltará a ter um líder como Afonso Dhlakama, que permaneceu no cargo por cerca de 40 anos.

Raúl Domingos, ex-membro dirigente e antigo membro do partido

ANT

Autor
  • Agência Lusa

O antigo número dois da Renamo, principal partido da oposição moçambicana, Raúl Domingos, considera, em declarações à Lusa, que a organização deve apostar num novo líder capaz de assegurar a harmonia entre a ala política e militar do partido.

“O perfil ideal do futuro líder da Renamo (Resistência Nacional Moçambicana) tem que ser alguém capaz de trazer as duas alas: a política e militar”, afirmou Raul Domingos, ex-membro dirigente e antigo membro do partido.

Com um novo presidente capaz de promover a coabitação entre as alas política e militar, o partido estará em condições de manter o compromisso com a paz e a democracia no país, acrescentou Raúl Domingos.

Por outro lado, o congresso eletivo que começa na terça-feira poderá marcar uma nova etapa na democracia interna, prosseguiu. “Com um novo dirigente, cria-se um novo quadro no partido, em que o novo líder poderá ficar na direção por um período não superior a 10 anos”, depois de o falecido líder, Afonso Dhlakama, ter permanecido no cargo por cerca de 40 anos, declarou Raúl Domingos.

A Renamo, prosseguiu, não voltará a ter um líder como Afonso Dhlakama, porque este tinha uma personalidade própria e as circunstâncias que moldaram o seu estilo de liderança transformaram-se.

Jamais teremos um líder como Dhlakama, que esteve 40 anos na direção do partido, vamos ter um processo dinâmico de sucessão e acredito que o futuro líder vai fazer no máximo dois mandatos, à semelhança do que acontece com o Presidente da República”, destacou ex-membro dirigente e antigo membro do partido, Raúl Domingos.

O tipo de liderança que vai sair do congresso, continuou, vai determinar o futuro da Renamo, porque o vencedor será automaticamente o candidato às eleições presidenciais deste ano e terá a missão de preparar o partido para participar nas eleições gerais.

Raúl Domingos ocupou vários cargos de direção na Renamo, desde os tempos da guerrilha, tendo sido expulso do partido devido a desentendimentos com Afonso Dhlakama, após as eleições gerais de 1999.

A Renamo realiza de 15 a 17 deste mês um congresso eletivo para escolher o sucessor de Afonso Dhlakama, que morreu de doença a 03 de maio do ano passado.

O congresso terá a participação de 700 delegados e 300 convidados e vai realizar-se no distrito da Gorongosa, província de Sofala, centro de Moçambique.

Até ao momento, existem três candidatos prováveis: o irmão de Afonso Dhlakama e dirigente da ala militar Elias Dhlakama, o coordenador interino Ossufo Momade e o atual secretário-geral Manuel Bissopo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada
191

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Governo

Fomos aldrabados

Fernando Leal da Costa

Finanças “sãs” não se podem construir à custa da perda do direito à proteção da saúde da população, mas o saldo deste governo são piores serviços, pior acesso, falta crónica de dinheiro e mais dívida.

Igreja Católica

A Europa e a Páscoa dos Cristãos no Mundo

Raquel Vaz-Pinto
202

Ao celebrar a Páscoa e a sua compaixão devíamos reflectir sobre os sacrifícios dos cristãos que vivem longe e fazer a pergunta difícil e dolorosa: conseguiríamos manter a Fé e de seguir o seu exemplo?

PS

De novo, a propaganda socialista a chegar ao fim /premium

João Marques de Almeida
1.263

Uma certeza temos em relação aos governos do PS: está tudo a correr muito bem até ao dia em que começa tudo a correr muito mal. É quando a “política de comunicação” se torna curta para tanta realidade

NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)