Catalunha

PP, Ciudadanos e Vox convocam manifestação em Madrid contra Pedro Sánchez

O Partido Popular (PP), Ciudadanos e Vox uniram-se para convocar uma manifestação contra Pedro Sánchez no próximo domingo. A concentração vai realizar-se às 11h, em Madrid.

Pedro Sánchez, presidente do governo espanhol

Ballesteros/EPA

O Partido Popular (PP), Ciudadanos e Vox uniram-se para convocar uma manifestação contra Pedro Sánchez, noticia o jornal espanhol ABC. A concentração foi convocada para as 11 da manhã do próximo domingo, na Plaza de Colón, em Madrid.

A ação vem no seguimento de o Governo Espanhol ter aceitado nomear um relator ou mediador para as negociações com os independentistas da Catalunha. Segundo o jornal Público, na passada terça-feira, a Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) fez várias exigências ao governo espanhol, e avisou que caso não fossem consideradas, o Orçamento (cuja aprovação depende dos votos deste partido) iria chumbar. Havendo um risco de tal acontecer, Sánchez falou com os partidos catalães, e aceitou a existência de um coordenador, ou relator, ou mediador nas negociações com o governo catalão. A vice-presidente do governo, Carmen Calvo, explicou que vai ser uma figura que “possa tomar notas, e que possa convocar reuniões”.

Os partidos de centro-direita não concordaram com a decisão, e quiseram agir. O líder do PP, Pablo Casado, trocou mensagens com o líder dos Ciudadanos, Albert Rivera, e conversou com o líder da Vox, Santiago Abascal, para poderem coordenar a resposta ao sucedido. De acordo com o jornal Diário de Notícias, Pablo Casado não descarta a hipótese de pedir uma moção de censura ao governo, e referiu que Sánchez é “ilegítimo por pactuar com golpistas e deixar-se chantagear por quem quer romper com a Espanha”. Para além disso, chamou-o de “medíocre”, “o maior traidor” e “mentiroso compulsivo”, lançando um apelo à mobilização da população.

Também na rede social Twitter, Albert Rivera apelou à participação de todos os espanhóis na manifestação. Rivera afirma que a eventual aceitação de um “relator” para as conversações com a Catalunha é uma “humilhação permanente”. Ao contrário do líder do PP, Albert Rivera é contra a moção de censura, e prefere que seja feita pressão a Sánchez para convocar eleições antecipadas.

Santiago Abascal, líder da Vox, apelou também no seu Twitter: “Acima de diferenças partidárias”, todos os espanhóis devem fazer parte da mobilização. “É preciso afastar este governo traidor que está agarrado aos golpistas”, escreveu.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Catalunha

A democracia espanhola no banco dos réus

Luís Ribeiro

Os catalães viveram a ilusão de que teriam o reconhecimento de uma individualidade pela qual anseiam há séculos. Enganaram-se no país. A democracia espanhola ainda teme a voz das suas autonomias.

Espanha

As duas Espanhas vão a eleições

Diogo Noivo

A estratégia eleitoral de todos os partidos espanhóis consiste em enfatizar o radicalismo do adversário, circunscrevê-lo a esse espaço e assinalar os riscos de traição no caso de vitória do oponente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)