Banco de Portugal

Carlos Costa pediu escusa de decisões do Banco de Portugal sobre a auditoria da Caixa

503

Num esclarecimento colocado no site do Banco de Portugal (mas que é um esclarecimento por parte do governador), Carlos Costa diz-se "totalmente disponível" para falar com os deputados.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, pediu ao restante conselho de administração escusa de participar em quaisquer deliberações que o Banco de Portugal tome relacionadas com a auditoria da EY, aos atos de gestão na Caixa Geral de Depósitos entre 2000 e 2015. Carlos Costa foi administrador entre abril de 2004 e setembro de 2006, e durante esse período, terá participado na aprovação de operações ruinosas como o crédito a Vale do Lobo e créditos a Manuel Fino e Joe Berardo (como revelou a revista Sábado esta quinta-feira).

No comunicado divulgado esta sexta-feira, Carlos Costa sublinha que as suas responsabilidades estavam nas áreas de marketing e internacional da instituição. “Durante todo o período em que exerceu funções de administrador na CGD, o governador não teve responsabilidades nas áreas de crédito, risco, acompanhamento de clientes ou de controlo e auditoria interna”, garante o comunicado.

Ainda assim, pelo facto de o mandato ter coincidido com o período em que mais problemas se acumularam na Caixa, o governador “comunicou ao Conselho de Administração do Banco de Portugal a sua intenção de não participar nas decisões do Banco de Portugal decorrentes das conclusões desta auditoria, tendo o Conselho de Administração aceite este motivo de escusa”.

O Governador reitera que está totalmente disponível, como sempre esteve, para prestar todos os esclarecimentos que a Assembleia da República entender necessários, designadamente sobre os termos da sua participação nos órgãos colegiais que aprovaram as operações que são objeto da auditoria da EY à CGD.

O comunicado termina dizendo que “o Banco de Portugal está a considerar toda a informação contida na auditoria da EY à CGD e daí retirará as consequências que se imponham”. Isto depois de o Jornal Económico noticiar, esta sexta-feira, que a idoneidade de Carlos Costa não será alvo de escrutínio.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)