Rádio Observador

Eleições Europeias

Europeias. Partidos do centro em queda, mas extremistas ainda estão ‘contidos’

Projeções do Parlamento Europeu para a nova configuração do hemiciclo mostra socialistas e conservadores em queda, mas tal não se traduz num disparar da extrema-direita. Liberais crescem.

PATRICK SEEGER/EPA

As duas grandes famílias políticas europeias — o Partido Popular Europeu (que integra o PSD e o CDS) e os Socialistas e Democratas (onde está o PS) — vão perder a maioria que há muito detêm no Parlamento Europeu, mas ainda não vai ser desta que as forças extremistas vão ficar com uma grande fatia do hemiciclo.

De acordo com a primeira de uma série de projeções que serão reveladas quinzenalmente pelo Parlamento Europeu até às eleições de 23 a 26 de maio – com base nas sondagens realizadas em cada Estado-membro -, o Partido Popular Europeu (PPE) e os Socialistas e Democratas (S&D), juntos, podem ficar-se pelos 45% na próxima legislatura, uma descida de 9% em relação à composição atual da assembleia europeia.

O Partido Popular Europeu (PPE), que integra PSD e CDS, mantém-se como a maior família política europeia, com 26% das intenções de votos dos cidadãos europeus, perdendo, no entanto, 3% relativamente a 2014. Na prática, essa quebra traduzir-se-ia na perda de 34 eurodeputados para um total de 183, uma redução ainda assim menor do que aquela que é projetada para os Socialistas e Democratas (S&D), grupo no qual se inclui o PS.

Depois de elegerem 186 deputados nas anteriores eleições europeias e de somarem 25% dos votos, os socialistas devem ficar-se pelos 135 assentos e 19% dos votos.

Em crescendo está a Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa (ALDE) que, segundo as projeções hoje divulgadas pelo PE, se poderá tornar na terceira força política na assembleia europeia, com 75 eurodeputados, mais sete do que atualmente, e 11% das intenções de voto, uma subida de 1,5%. O ALDE poderá superar assim o grupo dos Conservadores e Reformistas Europeus, a terceira força política no PE atual, que deverá perder 24 assentos e 2,5%, e ficar com 51 eurodeputados e 7% dos votos.

Na base das projeções estão as sondagens feitas para cada Estado-membro, sendo que a previsão para Portugal aponta para o PS a ganhar com 38,5% (9 eurodeputados), o PSD em segundo com 23,4%, e apenas 6 eurodeputados, a CDU em terceiro com 13% (3 eurodeputados), o CDS com 9,9% (2), o BE com 7,5% (1) e o Aliança, o PAN ou “outros” a não conseguirem eleger nenhum eurodeputado.

A perder estão também os Verdes europeus, com menos sete eurodeputados e 0,5% das intenções de voto (45 e 6%, respetivamente), e o Grupo Confederal da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Verde Nórdica do Parlamento Europeu (GUE/NGL), que integra PCP e o Bloco de Esquerda, que deverá ter menos seis eurodeputados.

É na categoria “Outros” que reside a grande incógnita das próximas eleições, com as projeções a atribuírem 58 lugares àqueles partidos que nem têm assento no atual PE, nem pertencem oficialmente a um grupo político.

Na apresentação das projeções, que incluem dados de todos os 27 Estados-membros – o Reino Unido deverá sair da União Europeia em 29 de março -, o porta-voz do PE, Jaume Duch, revelou que, neste momento, as duas grandes incógnitas na futura distribuição de assentos da assembleia europeia são o partido do presidente francês, Emmanuel Macron, e o italiano Movimento 5 Estrelas (M5S). Macron ainda não anunciou que grupo o seu “Em Marcha!” irá integrar, o mesmo acontecendo com o M5S, que manifestou a intenção de se desvincular do grupo da Europa das Liberdades e da Democracia Direta (EFDD).

O novo Parlamento Europeu, que resultará das eleições que se realizam entre 23 e 26 de maio, terá 705 eurodeputados, menos 46 do que o atual, em resultado da saída do Reino Unido da União Europeia. As projeções divulgadas esta segunda-feira têm por base sondagens nacionais, “com critérios credíveis e indicadores de qualidade relativamente à amostra e metodologia”, de cada um dos Estados-membros — que vão ser atualizadas a cada 15 dias.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto
193

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro
154

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)