Segundo o Nikkei, a Aliança liderada pela Renault, que inclui igualmente a Nissan e a Mitsubishi, está a negociar com a Waymo, a divisão da Google para a condução autónoma, uma parceria para o desenvolvimento de veículos sem condutor. Em cima da mesa estão táxis e outro tipo de serviços, que deverão passar por soluções de car-sharing, car-pooling e car-hailing, visando oferecer novas e mais baratas formas de deslocação nas grandes cidades sem recorrer ao carro particular.

A Google é uma das empresas que decidiu desde a primeira hora investir fortemente na condução autónoma e, numa primeira fase, tentou mesmo produzir o seu próprio veículo, dotado com tecnologia capaz de o levar do ponto A ao B sem necessidade de ter alguém aos comandos. Concluiu depois que as margens na produção de automóveis são mais magras do que no desenvolvimento da tecnologia, pelo que o gigante americano colocou de lado o projecto de construir automóveis e concentrou-se exclusivamente no sistema de condução autónoma, tendo criado a divisão Waymo especificamente para esta finalidade.

Há várias empresas a trabalhar na condução autónoma, mas nenhuma se compara com a Waymo em termos de quilómetros percorridos, volume de vias rodoviárias de mapeadas e sofisticação tecnológica, sendo mesmo a única com autorização para circular com passageiros e sem condutor, ou técnico a bordo, capaz de assumir o volante se alguma coisa correr mal. A escolha da Waymo, por parte da Aliança Renault Nissan Mitsubishi, parece ser a via mais rápida e com menores riscos para garantir um lugar na primeira linha, entre as empresas que pretendem disponibilizar rapidamente automóveis sem condutor, assim que a legislação o permita.

A Google optou por não comentar a notícia avançada pelo Nikkei, enquanto um porta-voz da Aliança afirmou que a notícia está baseada em especulações, e que não tinha nada para anunciar. Mas também não a negou.