Já lá vão quase quatro meses desde que José Sócrates trocou o reboliço da vida citadina pela pacatez da vila de Ericeira, nos arredores de Lisboa. O antigo primeiro-ministro, que está a ser acusado por 31 crimes e é uma das figuras centrais do mega-processo Operação Marquês, tem-se mantido longe do olhar público, afastado da imprensa, e já há algum tempo que não dá uma entrevista.

No início deste mês de fevereiro, porém, Sócrates rompeu o silêncio falou com a Azul Ericeira Mag, um portal de conteúdo dedicado à histórica vila piscatória, onde explicou como está a ser a sua vida diária no novo poiso costeiro. Da sua procura por um “equilíbrio interior”, passando pelos passeios junto ao mar e até ao novo hábito de ir ao ginásio das piscinas municipais, José Sócrates mostra outra faceta, menos óbvia, de quem leva uma vida normal (ou o mais normal possível, tendo em conta os problemas judiciais do ex-político).

“Eu acho que a Ericeira é das poucas vilas próximas de Lisboa – e que estão ligadas à capital por autoestrada – que mantêm ainda a sua identidade.” É desta forma que José Sócrates começa a descrever a sua “nova vida”. Elogiando a capacidade que a Ericeira teve em continuar “a ser uma vila de pescadores que não se transformou num mero subúrbio”, o ex-primeiro-ministro gaba a “enorme riqueza” da zona, elogiando até aquilo “que lhe dá mais graça: uma certa cultura de surf”, que, para ele, é “uma enorme riqueza” para a região. Apesar de criticar “alguns exageros arquitetónicos que foram cometidos nas décadas de 80 e 90” que “não são de muito bom gosto”, Sócrates defende que o surf dá uma “beleza singular e um certo estilo” à comunidade balnear.

O ex-político não esconde um certo fascínio pelo surf e não hesita em dar-lhe o valor que toda a Ericeira claramente lhe dá. Daí a tentar praticar já é outra conversa: “Nunca fiz surf e nada me puxa para isso. Vivi toda a minha infância na Covilhã e tive a felicidade de começar a fazer ski muito cedo e sou um grande apaixonado por este desporto. Tenho uma grande admiração pelo mar, mas também muito respeito.”

Ao longo da entrevista transparece um certo estado de fascinação de José Sócrates com esta sua nova casa. A “frente de mar absolutamente extraordinária”, as pessoas “sentadas nos bancos a lerem livros e a olharem para o mar” — (“o que é já uma coisa muito difícil de encontrar noutros locais”) –, tudo isso é para o ex-governante “uma fuga” para um espaço onde prevalece “um certo equilíbrio interior e a convivência connosco próprios.”

É o próprio José Sócrates a afirmar que esta sua mudança foi um mero acaso: Apesar de algumas polémicas que já vieram à tona sobre a casa que agora habita, Sócrates explica que só se mudou para lá simplesmente porque o primo tinha uma casa desabitada e convidou-o para a ocupar. Ele aceitou, a casa era “boa”, “aprazível”, mas essa mudança deveu-se “fundamentalmente a questões que nada têm a ver” com a sua própria escolha, por muito que “amigos” como Mário Lino (ex-ministro das Obras Públicas) e Guilherme Dray (seu antigo chefe de gabinete) já lhe tivessem falado da região.

O seu dia-a-dia passa muito pelos passeios entre a Praia do Sul e São Sebastião, uma zona “absolutamente extraordinária, com vista panorâmica para o mar”, correr à beira-mar (atividade que teve de ficar em suspenso, nos últimos tempos, por culpa de “uma pequena lesão no gémeo”), nadar e ir ao ginásio dos complexos municipais — “Há aqui umas piscinas municipais, com um ginásio, onde vou quase todos os dias.” É também a área da escrita que sai reforçada por esta mudança. “Não há melhor espaço para alguém que pretenda dedicar-se à escrita e à reflexão. Este é o sítio indicado. Eu leio muito, e também me dedico à pesquisa e à escrita, sobretudo agora que tenho tempo. Tal como já me viram, costumo andar com um livro debaixo do braço quando vou almoçar. Gosto de ler ao almoço umas breves páginas. Qualquer livro em qualquer sítio é uma garantia que não estamos sós.

Este confesso adepto do “mar bravo, forte da Ericeira” — “Há quem prefira os mares mais calmos e quentes, o que não é a minha preferência. Eu gosto dos mares fortes, agitados, ameaçadores!” — está como quer: num ambiente de paz, sossego e pleno em leitura e exercício físico. A sua popularidade entre os portugueses pode estar longe de ser favorável, o próprio admite que “há muitas pessoas que se dirigem a mim para dizer aquilo que você calcula”, mas no geral, a grande maioria trata-o com “civilidade” e até “têm sido muito afetuosas”. Tudo coisas que o fazem dizer, confiante que a vila a que chama casa “é muito amigável e carinhosa”.