Caso José Sócrates

Primo José Paulo recebeu de um angolano o apartamento de luxo na Ericeira onde Sócrates vive

12.811

José Paulo Pinto de Sousa recebeu de um angolano o apartamento de luxo na Ericeira onde o ex-primeiro-ministro está a viver. Sócrates diz que "aceitou convite de alguém muito próximo e querido".

LUSA

O primo de José Sócrates José Paulo Pinto de Sousa, empresário em Angola e suspeito de ter sido um dos testas-de-ferro do ex-primeiro-ministro, é o dono do apartamento de luxo na Ericeira onde Sócrates está a viver, noticia o Correio da Manhã esta sexta-feira. Mas o apartamento não é do primo de Sócrates há muito tempo — só em outubro deste ano é que o imóvel foi recebido como pagamento de uma dívida que um empresário angolano tinha com o primo do ex-líder socialista.

José Paulo é um dos arguidos da Operação Marquês e, segundo a acusação, entre maio de 2006 e julho de 2007, recebeu em contas bancárias na Suíça nove milhões de euros em alegados subornos do Grupo Espírito Santo (GES) ao ex-primeiro-ministro. Enquanto decorre o processo em tribunal, o empresário português em Angola teve um advogado — José Filipe Morais Alçada — a fazer a escritura do imóvel, por procuração não só de José Paulo mas, também, do antigo dono.

O antigo dono é o angolano Fernando dos Anjos Ferreira, que comprou a casa em 2006 mas, nesta fase, tinha uma dívida de 500 mil dólares norte-americanos para com José Paulo Pinto de Sousa, pelo que entregou como dação em pagamento o apartamento, avaliado em 431 mil euros, que tem vista para o mar, várias suites e banheira jacuzzi.

Em reação à notícia, e ouvido na Ericeira pela reportagem da SIC, José Sócrates explicou: “decidi aceitar um convite de um familiar que me é muito próximo, que me é muito querido”.

Esta foi uma resposta que José Sócrates explicou, à SIC, que é dada uma vez “sem exemplo”, porque diz não perceber “porque é que o jornalista vai buscar a ideia que tem o direito de fazer perguntas, de incomodar as pessoas nos atos banais da sua vida privada”. “Eu não sei com que espécie de não-direitos me considera”, acrescentou.

“Eu saí de uma casa que estava alugada e decidi aceitar um convite de um familiar que me é muito próximo, muito querido”, comentou José Sócrates, acrescentando que é “falso” que o primo tenha sido seu testa-de-ferra nos subornos que é acusado pelo Ministério Público de ter recebido.

“As vossas perguntas revelam o nível de jornalismo a que chegámos, que só quer fazer devassa da vida privada”, a mando “do Ministério Público”, acusou o ex-líder socialista.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido
3.456

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)