Bloco de Esquerda

Governo desmente acordo com o Bloco de Esquerda sobre Lei de Bases da Saúde

115

O Governo fez saber esta tarde que o processo de negociações para a nova Lei de Bases da Saúde ainda não está fechado, diz que o suposto acordo é uma "versão de trabalho" e puxa o foco para o PS.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Afinal, o Governo não dá o processo negocial sobre a Lei de Bases da Saúde como encerrado. Através de um comunicado enviado às redações na sequência do anúncio desta tarde do Bloco de Esquerda, a Secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares desmentia a garantia dada horas antes pelo Bloco de Esquerda e fez saber que o processo legislativo anda “decorre na Assembleia da República, no âmbito do Grupo de Trabalho da Lei de Bases da Saúde e da Comissão Parlamentar de Saúde”. Mais: “o Governo não fechou qualquer acordo com um partido em particular“.

O que fica claro do comunicado da secretaria de Estado de Duarte Cordeiro é que o Executivo não quer esvaziar o papel do grupo parlamentar do PS neste processo, que ficaria remetido a uma espécie de figurante nas negociações entre bloquistas e governo, depois da conferência de imprensa onde o BE reclamou os louros de um suposto acordo: “Existe total entendimento e articulação entre o Governo e o Grupo Parlamentar do Partido Socialista nesta matéria“, lê-se no comunicado que acrescenta, voltando a puxar o foco para os deputados socialistas, que a “proposta que hoje ficou conhecida por parte do Bloco de Esquerda corresponde, na generalidade, a uma versão de trabalho resultante das reuniões mantidas entre o Governo e os Grupos Parlamentares, e anteriormente validada pelo Grupo Parlamentar do Partido Socialista”.

Este esclarecimento não desmente assim parte do conteúdo avançado pelo líder parlamentar do BE e pelo deputado Moisés Ferreira esta quinta-feira no Parlamento, mas em vez de acordo fala apenas de uma “versão de trabalho”. Segundo os bloquistas, o Governo teria acordado com o partido uma série de medidas que figuram nas propostas de alteração que vai apresentar na especialidade. Em vez de atribuir os créditos os BE, o gabinete de Duarte Cordeiro prefere distribui-los pelos restantes parceiros no parlamento. O Governo “participou num processo com vista à convergência de posições políticas com os partidos que ativamente têm procurado construir uma nova Lei de Bases da Saúde, que proteja o Serviço Nacional de Saúde universal, público e tendencialmente gratuito”, lê-se no comunicado que pisca o olho aos partidos da ‘geringonça’.

Esta tarde, ao Observador, o CDS já tinha instado o Governo a vir a público esclarecer qual é “afinal a sua posição sobre as PPP”. Uma questão que não fica respondida pelo comunicado enviado há minutos pela Secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares.

Numa reação enviada por escrito ao Observador, já depois do comunicado do governo, uma fonte do Bloco de Esquerda recorda que “o primeiro-ministro informou publicamente, no debate quinzenal de há duas semanas, que o Governo remeteu ao Bloco a sua proposta de Lei de Bases da Saúde“. E depois acrescenta, com a justificação do BE para falar de um acordo que o governo não reconhece: “O objetivo era então um texto inter-partidário de substituição das propostas anteriores. O Bloco manifestou acordo com a proposta do Governo com o novo texto comum, uma possibilidade entretanto excluída. Assim, o Bloco apresenta agora como proposta sua o texto acordado com o Governo, visando contribuir para a mais forte convergência nesta matéria essencial”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt
Eleições Europeias

Em que partido vota um liberal ?

Bernardo Blanco

Votei num partido que afirma sem medos que "todo o indivíduo tem direito a dirigir a sua própria vida”, em termos económicos e sociais. O Estado deve estar fora do bolso e do quarto dos portugueses.

Eleições Europeias

Dois liberalismos

Ricardo Mendes Ribeiro

Temos dois partidos nestas eleições que se dizem liberais e no entanto são muito diferentes: o Iniciativa Liberal e o Aliança. O que distingue estes liberalismos são os limites que colocam à liberdade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)