Porto

Marginal cortada após queda de pedaços do revestimento da Ponte da Arrábida. Intervenção avança esta noite

148

Intervenção na Ponte da Arrábida avança esta noite após queda de fragmentos do revestimento ter levado ao fecho da marginal do Porto. Reabertura da marginal do Porto vai depender desta intervenção.

Autores
  • Vanessa Cruz
Mais sobre

A queda de pedaços de argamassa da Ponte da Arrábida levou a Câmara do Porto a decidir cortar o trânsito na marginal, nos dois sentidos, por uma questão de “precaução”. O corte de via foi feito na terça-feira à noite e foi já anunciado o início de obras de intervenção a partir das 10 da noite desta quarta-feira, com a conclusão prevista para as seis horas da manhã de quinta-feira. No entanto, a reabertura da via à circulação vai depender da avaliação que for feita durante a intervenção desta noite que irá também obrigar ao corte da via direita nos dois sentidos do tabuleiro da ponte.

Este trabalho foi decidido na sequência de uma reunião que teve lugar esta manhã com responsáveis da CM Porto, informa a Infraestruturas de Portugal. Nessa reunião ficou confirmado que se verificou o desprendimento de fragmentos de betão/ argamassa de revestimento das vigas do tabuleiro, que não constituem elementos estruturais da Ponte da Arrábida.

Apesar de serem de pequena dimensão, pela altura de queda e posição, a situação representa risco de danos aos utilizadores da avenida marginal, pelo que a Câmara encerrou esta à circulação até indicação por parte da IP de que pode ser reaberta em segurança.

A empresa procedeu já à contratação de uma plataforma bybridge que permitirá dar início aos trabalhos de remoção controlada do betão destacado, no sentido de garantir a segurança da circulação sob a Ponte da Arrábida, afirmou em resposta a perguntas do Observador. A IP sublinha ainda que só “com o desenvolvimento da intervenção será possível aferir com detalhe se existirá necessidade de prolongar este trabalho por mais noites”.

Para já, e durante o horário referido, ficou coordenada com as forças de autoridade o corte de via direita nos dois sentidos do tráfego sobre o tabuleiro da Obra de Arte, no horário referido. Estão ainda previstos trabalhos de reparação do revestimento inferior do tabuleiro da ponte, em data a definir com a autarquia.

Segurança não está em causa. Drone confirmou queda de fragmentos do revestimento

O fecho da marginal na sequência da queda de fragmentos de revestimento da ponte, uma das principais travessias rodoviárias do Douro, foi decidido esta madrugada pela Câmara do Porto por precaução e salvaguardando eventuais danos que pudessem vir a ocorrer.

A Infraestruturas de Portugal, responsável pela manutenção da ponte, garantiu logo que a segurança da ponte “não estava em causa”, apesar da queda de fragmentos de betão da infraestrutura. A IP efetuou logo uma vistoria ao local através de Drone.

“Desta verificação, apurou-se que os referidos fragmentos são constituídos por argamassa de revestimento superficial, não constituindo qualquer elemento estrutural da Ponte da Arrábida. Assim, a IP confirma que não está em causa a segurança na utilização da Ponte da Arrábida!.

O Observador aguarda mais esclarecimentos da empresa sobre inspeções e ações de monitorização, bem como o diagnóstico sobre as condições da Ponte da Arrábida que é uma das principais travessias rodoviárias que liga as duas margens do Douro no Porto.

Contactada pelo Observador ao início da manhã, a Câmara do Porto deu conta que depois de uma reunião com a Infraestruturas de Portugal, a IP estava a traçar um plano rápido de intervenção de manutenção na ponte”, acrescentando que “a empresa pública garantiu que a ponte não tem qualquer dano estrutural e que se trata apenas de betão superficial“.

O trânsito vai ficar continuar cortado na marginal, enquanto o plano de intervenção da IP é traçado e executado e, mesmo depois disso, poderá ficar condicionado. Isto porque a intervenção obrigará a colocar no tabuleiro da Ponte da Arrábida “um camião com uma estrutura com um braço”, para aceder às zonas afetadas (no arco).

Eventos destes “acontecem”

A câmara relativiza o sucedido, dizendo que há fenómenos que podem resultar no desprendimento de argamassa:

A ponte, construída em 1963, tem sido alvo, ao longo da sua vida, de frequente manutenção por parte do Estado, que é sua proprietária. Eventos de desprendimento de argamassa acontecem, por vezes, neste tipo de estrutura devido a fenómenos variados, como alterações de temperatura”.

A autarquia recebeu a garantia, da IP, de que “não existe qualquer relação entre estes desprendimentos superficiais e qualquer fenómeno estrutural que possa comprometer a ponte”, pelo que “a segurança está garantida”.

Ministério “acompanha” situação

Questionado pelo Observador, o Ministério das Infraestruturas afirma que “está a acompanhar” a situação “em estreita articulação com a Infraestruturas de Portugal”.

O ministério de Pedro Nuno Santos lembra também que “a garantia [da empresa pública IP] é de que não existe nenhum dano estrutural na ponte, pelo que a sua estabilidade e segurança não está em risco”.

O site da Câmara do Porto refere que “os serviços de proteção civil municipais atuaram de imediato, captando imagens com um drone e determinando a interdição da via”.

Cabe agora à IP fazer o seu trabalho. Quem circula na marginal do Porto terá de ter paciência nos próximos tempos.

Página da internet Porto.

(artigo atualizado às 14.30 com informação da IP sobre intervenção na noite de quarta-feira)

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)