Rádio Observador

SIRESP

PCP rejeita aquisição do SIRESP por parte do Estado e quer controlo público da rede

O Partido Comunista rejeitou a aquisição do Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) por parte do Estado e caracterizou esta rede como "obsoleta".

TIAGO PETINGA/LUSA

O PCP rejeitou, esta quarta-feira, que a aquisição do SIRESP (Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal) por parte do Estado e defendeu, ao invés, o controlo público desta rede.

Em declarações aos jornalistas na Assembleia da República, em Lisboa, o deputado Jorge Machado destacou que a parceria público-privada do SIRESP “constitui uma desastrosa opção de sucessivos governos, que se tem revelado completamente desastrosa para o interesse nacional”.

Na opinião dos comunistas, “o que não pode acontecer é que, depois de anos e anos de negócio completamente ruinoso para o interesse do Estado, em que os privados retiraram largos milhões de euros de dividendos, se faça a cereja no topo do bolo, que é promover a aquisição, isto é, o Estado comprar uma rede que já está obsoleta”.

“Portanto, o Estado deve assumir o controlo público, até porque há incumprimento por parte dos privados”, salientou Jorge Machado, notando que, “com o controlo público, ou sem o controlo público do SIRESP, ou optando por uma rede completamente nova, tem que haver uma modernização acentuada daquilo que é a comunicação de emergência” em Portugal.

Na ótica do PCP, o Estado deverá assumir “a construção e a gestão da futura rede de emergência, em plenitude de gestão pública e propriedade pública”, o que é “uma questão de soberania”.

“Não podemos ficar dependentes de privados para saber se temos ou não comunicações de emergência”, salientou, advogando que esta rede é “vital para o funcionamento das forças e serviços de segurança”.

Como exemplo, Jorge Machado apontou que “há zonas do território onde o SIRESP, pura e simplesmente, não chega”.

Por isto, o PCP ironizou que “a aquisição poderá ser um excelente negócio para os privados, que desinvestiram numa rede, que tem uma rede completamente ultrapassada, e que agora vendem ao Estado uma rede que necessitará obrigatoriamente de avultados investimentos por parte do erário público”.

O PCP entregou esta quarta-feira um projeto de resolução que defende isto mesmo e recomenda ao Governo liderado pelo socialista António Costa que adote medidas “de caráter urgente”, entre as quais “o reforço do sistema de comunicações por satélite”, bem como das antenas e geradores por forma a garantir “a cobertura de todo o território nacional”.

“O nosso projeto de resolução vai neste sentido, também, de assegurar não só a não existência de interrupções da rede na transição da parceira público-privada para o controlo público, a necessidade do investimento e da modernização desta rede […] e o novo modelo de comunicações de emergência tem que ter, de raiz, o controlo público”, indicou o deputado.

A par do projeto de resolução, os comunistas apresentaram ainda um requerimento na Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, para ouvir o grupo de trabalho criado pelo Governo “para estudar o pós-SIRESP”, por forma a que se “perceba qual é a solução tecnológica que o Estado pretende para o futuro das comunicações de emergência”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)