SIRESP

PCP rejeita aquisição do SIRESP por parte do Estado e quer controlo público da rede

O Partido Comunista rejeitou a aquisição do Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) por parte do Estado e caracterizou esta rede como "obsoleta".

TIAGO PETINGA/LUSA

O PCP rejeitou, esta quarta-feira, que a aquisição do SIRESP (Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal) por parte do Estado e defendeu, ao invés, o controlo público desta rede.

Em declarações aos jornalistas na Assembleia da República, em Lisboa, o deputado Jorge Machado destacou que a parceria público-privada do SIRESP “constitui uma desastrosa opção de sucessivos governos, que se tem revelado completamente desastrosa para o interesse nacional”.

Na opinião dos comunistas, “o que não pode acontecer é que, depois de anos e anos de negócio completamente ruinoso para o interesse do Estado, em que os privados retiraram largos milhões de euros de dividendos, se faça a cereja no topo do bolo, que é promover a aquisição, isto é, o Estado comprar uma rede que já está obsoleta”.

“Portanto, o Estado deve assumir o controlo público, até porque há incumprimento por parte dos privados”, salientou Jorge Machado, notando que, “com o controlo público, ou sem o controlo público do SIRESP, ou optando por uma rede completamente nova, tem que haver uma modernização acentuada daquilo que é a comunicação de emergência” em Portugal.

Na ótica do PCP, o Estado deverá assumir “a construção e a gestão da futura rede de emergência, em plenitude de gestão pública e propriedade pública”, o que é “uma questão de soberania”.

“Não podemos ficar dependentes de privados para saber se temos ou não comunicações de emergência”, salientou, advogando que esta rede é “vital para o funcionamento das forças e serviços de segurança”.

Como exemplo, Jorge Machado apontou que “há zonas do território onde o SIRESP, pura e simplesmente, não chega”.

Por isto, o PCP ironizou que “a aquisição poderá ser um excelente negócio para os privados, que desinvestiram numa rede, que tem uma rede completamente ultrapassada, e que agora vendem ao Estado uma rede que necessitará obrigatoriamente de avultados investimentos por parte do erário público”.

O PCP entregou esta quarta-feira um projeto de resolução que defende isto mesmo e recomenda ao Governo liderado pelo socialista António Costa que adote medidas “de caráter urgente”, entre as quais “o reforço do sistema de comunicações por satélite”, bem como das antenas e geradores por forma a garantir “a cobertura de todo o território nacional”.

“O nosso projeto de resolução vai neste sentido, também, de assegurar não só a não existência de interrupções da rede na transição da parceira público-privada para o controlo público, a necessidade do investimento e da modernização desta rede […] e o novo modelo de comunicações de emergência tem que ter, de raiz, o controlo público”, indicou o deputado.

A par do projeto de resolução, os comunistas apresentaram ainda um requerimento na Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, para ouvir o grupo de trabalho criado pelo Governo “para estudar o pós-SIRESP”, por forma a que se “perceba qual é a solução tecnológica que o Estado pretende para o futuro das comunicações de emergência”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Another brick in the wall?

Maria Castello Branco

Como todos os que desfrutaram da liberdade de circulação e do Erasmus bem sabem, a Europa é o pluralismo de nações, mas ela está demasiado centralizada e burocrática para que a diversidade seja ouvida

Crónica

Portugal, um país à prova de fake news /premium

José Diogo Quintela

Porra Vasily! Então, mas o que é que andas a fazer, pá? Portugal não necessita dos nossos trolls, nem das nossas fake news. Os partidos tradicionais encarregam-se de escangalhar a imagem da democracia

Eleições Europeias

Populismo e eleições europeias

Ricardo Pinheiro Alves

O crescimento do populismo xenófobo é alimentado pelo aumento do populismo igualitário, conduzindo a uma progressiva radicalização da vida pública como se observa actualmente nos países desenvolvidos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)