Reino Unido

Reino Unido eleva nível de alerta para britânicos no Iraque

Trump retirou os EUA do acordo nuclear com o Irão e, desde então, a tensão no Golfo Pérsico tem aumentado. O Reino Unido entende que a tensão representa uma ameaça para as tropas inglesas.

Também as forças britânicas e diplomatas na Arábia Saudita, Kuwait e Qatar têm agora um nível de alerta mais alto

HAIDER AL-ASSADEE/EPA

O Reino Unido elevou o nível de alerta para os britânicos no Iraque devido à escalada da tensão entre o Irão e os Estados Unidos, noticia esta quinta-feira o canal de televisão britânico Sky News.

Segundo a mesma fonte, as forças britânicas e os seus diplomatas na Arábia Saudita, Kuwait e Qatar também foram colocados num estado mais elevado de alerta.

O Ministério da Defesa britânico recusou-se a comentar a informação avançada pelo canal de televisão. No entanto, o Ministério reconheceu, na quarta-feira, que há ameaças na região às forças britânicas, norte-americanas e de coligação e estão a agir em conformidade.

O Ministério afirmou que “a segurança dos funcionários e dos ativos destacados está sob constante revisão” e que tem “um conjunto muito robusto de medidas de proteção”. O Ministério da Defesa diz que o Reino Unido tem sido há muito tempo “claro sobre [as suas] preocupações com o comportamento desestabilizador do Irão na região”.

A raiz do recente aumento das tensões no Golfo Pérsico parece ser a decisão do presidente norte-americano, Donald Trump, de retirar há um ano os Estados Unidos do acordo nuclear do Irão com as potências mundiais (assinado em Viena, em 2015), além das sanções impostas a Teerão para paralisar a sua economia. Em resposta, o líder supremo do Irão, Ali Khamenei emitiu uma ameaça velada na terça-feira, dizendo que não seria difícil para a República Islâmica enriquecer o urânio para armas.

Na quarta-feira, o Departamento de Estado norte-americano ordenou que todos os funcionários não essenciais do Governo deixassem o Iraque (país vizinho do Irão), além disso a Alemanha e a Holanda suspenderam os seus programas de assistência militar no país, no mais recente sinal de tensão.

Na semana passada, autoridades dos EUA disseram ter detetado sinais de preparativos iranianos para potenciais ataques a forças e interesses norte-americanos no Médio Oriente, mas Washington não forneceu publicamente qualquer evidência para respaldar as alegações de um aumento da ameaça iraniana.

O Irão ameaçou recentemente retomar o enriquecimento, a partir de 7 de julho, além do nível permitido pelo atual acordo entre Teerão e potências mundiais. Os EUA abandonaram o acordo no ano passado, reimplantando sanções que penalizam países e empresas globais que fazem negócios com o Irão.

Embora o Irão mantenha o seu programa nuclear para fins pacíficos, os cientistas dizem que o tempo necessário para atingir o limite de 90% para o urânio para uso militar é reduzido pela metade, uma vez que o urânio é enriquecido em cerca de 20%.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

As eleições deviam ser uma maçada

Henrique Burnay

China, Estados Unidos, Rússia, energia, clima, banca, defesa, plataformas digitais e empregos do futuro. Pela discussão que aí vai não se nota, mas as europeias são sobre tudo isto e muito mais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)