Eleições Europeias

João Ferreira lança novo desafio a PS, PSD e CDS: o que vão fazer sobre a política agrícola?

O candidato da CDU às eleições europeias, João Ferreira, encerrou esta sexta-feira a sua passagem pelo Alentejo com mais um desafio a PS, PSD e CDS: que digam o que pensam sobre a reforma da PAC.

João Ferreira durante um almoço esta sexta-feira na vila de Cuba, Alentejo

LUSA

Depois de ter pedido, no início da semana, ao PS, PSD e CDS que se pronunciassem publicamente — e antes das eleições — sobre o que farão relativamente à proposta de orçamento europeu que corta os fundos de coesão dedicados a Portugal em 7%, o candidato da CDU às eleições europeias voltou a lançar um repto àqueles partidos. Agora, que digam o que vão fazer quanto à reforma da Política Agrícola Comum, alvo de reforma na próxima legislatura europeia.

“Esta é que é a hora das clarificações. O que pensam fazer os vários partidos?”, questionou João Ferreira, durante um jantar-comício em Serpa esta sexta-feira, encerrando a passagem da caravana da CDU pelo Alentejo. À semelhança do que tinha feito antes (quando disse que a CDU não votará favoravelmente um orçamento que inclua qualquer corte de verbas para Portugal), deu a garantia da posição da coligação: trabalhará no sentido salvaguardar os recursos nacionais e de colocar os agricultores portugueses em pé de igualdade com o resto da Europa.

O cabeça de lista da coligação lembrou aquilo que tem vindo a defender sobre a agricultura e argumentou que se os portugueses soubessem o que sabem hoje não teriam tido a mesma posição sobre a adesão à CEE. “Foi a CDU quem combateu como ninguém os impactos que três décadas de Política Agrícola Comum tiveram no nosso país”, considerou. “Fomos nós quem avisou que as promessas do Mercado Único e os rios de dinheiro da CEE com que iludiram os agricultores portugueses antes da adesão iriam redundar na destruição da nossa capacidade produtiva”, acrescentou.

Segundo João Ferreira, “se tivessem dito aos agricultores” que iam “destruir” a produção, acabar com postos de trabalho e deixar ao “abandono 700 mil hectares de terras aráveis”, “seguramente a euforia não teria sido tanta”. Depois, falando diretamente aos quase duzentos alentejanos apoiantes da CDU presentes no jantar-comício, João Ferreira assegurou que “se tivessem dito” a um país que já produziu trigo e centeio “que agora temos de importar 95% dos cereais que consumimos, com certeza que as opções do povo teriam sido outras”.

O candidato da CDU recordou também que a coligação apresentou, “aquando da última reforma da PAC, mais de 150 propostas”, por isso este será “um momento chave para assegurarmos o direito de cada país e não de apenas alguns a produzir, o direito a defender a sua soberania alimentar”. A reforma da PAC, defendeu, deverá passar por uma melhor “redistribuição das verbas” e pelo fim da “distribuição de rios de dinheiro pela simples posse da terra sem obrigatoriedade de produzir”.

“Às vezes tem piada ouvir os candidatos do PS, PSD e CDS a discutir taxas de execução do Portugal 2020 ou do ProDer”, disse João Ferreira, para questionar se “não foram eles” que aprovaram regras para Portugal “não investir para não agravar o défice”. Para o candidato da CDU, as preocupações com a população “devem estar à frente do cumprimento das regras do défice” e deu mais alguns exemplos, como o IP8, que serve a região e que precisa de ser melhorado, ou a ferrovia, uma grande necessidade no Alentejo. E aproveitou a deixa para atacar o cabeça de lista do PS, Pedro Marques, sublinhando que nestes casos, “o plano de investimento do ex-ministro Pedro Marques ou não responde ou a resposta que dá está no plano da indigência”.

Sobre o primeiro desafio lançado a PS, PSD e CDS, sobre a aprovação ou não do orçamento comunitário no Parlamento Europeu (e também lançado ao Governo português para que o vete no Conselho), João Ferreira disse esta tarde que continuava à espera de respostas — e que iria interpretar o silêncio também como resposta. Fica agora à espera de mais uma ronda de respostas, numa campanha em que está apostado em diferenciar-se das outras forças no plano das políticas europeias em vez de nas divergências nacionais.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)