Noa Pothoven morreu porque “escolheu não comer e beber mais”. A confirmação é dada pelos pais da jovem holandesa, de apenas 17 anos, através de um comunicado publicado no jornal De Gelderlande — a nota divulgada pela família está em inglês por se dirigir especificamente aos meios de comunicação internacionais que, num primeiro momento, terão escrito que a jovem fora eutanasiada.

“Nós, pais de Noa Pothoven, estamos profundamente tristes com a morte de nossa filha. A Noa escolheu não comer e beber mais. Gostaríamos de enfatizar que essa foi a causa da sua morte. Ela morreu na nossa presença no domingo passado. Pedimos a todos que respeitem a nossa privacidade para que nós, como família, possamos fazer o luto”, lê-se na respetiva publicação.

Noa Pothoven, de apenas 17 anos, morreu no último domingo em casa dos pais, depois de ter deixado de comer e beber. Não houve eutanásia, apesar da lei holandesa permitir a morte medicamente assistida a menores de idade. Noa Pothoven sofria de depressão, anorexia e stress pós-traumático, consequências de ter sido vítima de abusos sexuais e violação, aos 11, 12 e 14 anos.