Rádio Observador

SIRESP

Jerónimo diz que Governo dá “bónus” a privados por SIRESP que “está reduzido a osso”

O secretário-geral do PCP criticou o negócio da compra do SIRESP, por considerar que o Governo vai "dar um bónus de sete milhões de euros" aos privados por "um serviço que está reduzido a osso".

NUNO VEIGA/LUSA

O secretário-geral do PCP criticou esta quinta-feira o negócio da compra do SIRESP, por considerar que o Governo vai “dar um bónus de sete milhões de euros” aos privados por “um serviço que está reduzido a osso”.

O Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança (SIRESP) está “totalmente degradado, os privados não investiram um cêntimo na sua manutenção e modernização” e o Governo resolveu dar-lhes “um bónus de sete milhões de euros”, afirmou Jerónimo de Sousa.

O líder comunista, que falava na apresentação do cabeça de lista da CDU pelo círculo de Évora nas eleições legislativas de 6 de outubro, defendeu que a passagem do SIRESP para a alçado do Estado “já deveria ter acontecido” e discordou dos contornos do negócio.

“É um serviço que está reduzido a osso, como se verificou, aliás, com as dramáticas consequências dos incêndios, e agora eles, que relaxaram o serviço e o deixaram numa situação vulnerável”, dizem ‘tomem lá mas deem para cá sete milhões de euros'”, disse.

“E o Governo tão somítico com os trabalhadores, com os reformados, com aqueles que lutam por uma vida melhor, por melhores salários, reformas e pensões, pois a esses lá vem sempre a desculpa de que não há dinheiro. Pois não, ele não estica e é esta e outras medidas que levam à situação em que se encontra o país”, acrescentou.

O Estado comprou por sete milhões de euros a parte dos operadores privados, Altice e Motorola, no Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança, foi anunciado pelo Governo.

O decreto-lei, aprovado hoje em Conselho de Ministros, “transfere integralmente para a esfera pública” as funções relacionadas com a gestão, operação, manutenção, modernização e ampliação da rede SIRESP, e também a estrutura empresarial.

A transferência será feita em 01 de dezembro de 2019 e o Estado vai pagar sete milhões de euros, que corresponde a 33.500 ações, afirmou, no final da reunião, o secretário de Estado do Tesouro, Álvaro Novo.

O SIRESP é detido em 52,1% pela PT Móveis (Altice Portugal) e 14,9% pela Motorola Solutions, sendo 33% da Parvalorem (Estado).

Na sessão de apresentação do atual líder parlamentar do PCP, João Oliveira, como primeiro candidato por Évora nas próximas legislativas, que decorre num hotel da cidade alentejana, o secretário-geral do PCP advertiu também que estão em jogo nas eleições “dois caminhos”.

“Avançar no que se conquistou e responder aos problemas do país, dando mais força à CDU, ou andar para trás pela mão de PS, PSD e CDS”, concluiu.

Já João Oliveira acusou o PS e os seus governos de se limitarem a fazer do novo Hospital Central do Alentejo, previsto para Évora, “argumento de propaganda eleitoral para conquistar votos”, considerando que “faltou a este Governo do PS o mesmo que faltou aos anteriores, faltou-lhe vontade política e preocupação com a saúde dos alentejanos” para avançar com o projeto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)