Rádio Observador

Mario Draghi

Draghi promete estímulos adicionais para garantir estabilidade de preços

No discurso de abertura dos trabalhos do Fórum do BCE, Draghi garantiu que se o objetivo de ficar abaixo dos 2% de inflação estiver ameaçado, "estímulos adicionais serão necessários".

O mandato de Draghi termina a 31 de outubro

JULIEN WARNAND/EPA

O presidente do BCE afirmou esta terça-feira que a instituição avançará com estímulos adicionais, que podem ser decididos nas próximas semanas, nomeadamente mais compras de ativos e cortes adicionais nos juros, se a inflação não recuperar na zona euro.

“Se a crise mostrou alguma coisa, é que vamos usar toda a flexibilidade no âmbito do nosso mandato para o cumprir — e vamos fazê-lo novamente para responder a quaisquer desafios que se coloquem à estabilidade de preços no futuro”, garantiu Mario Draghi, ao discursar no Fórum do Banco Central Europeu (BCE), que decorre em Sintra.

O presidente do BCE frisou que, “na ausência de melhorias, de tal forma que o retorno sustentado da inflação rumo ao objetivo [do BCE de ficar abaixo mas próximo de 2%] esteja ameaçado, estímulos adicionais serão necessários”.

Mario Draghi disse também que ainda existe “espaço considerável” para mais compras de ativos e acrescentou: “cortes adicionais nas taxas de juros e medidas de mitigação para conter quaisquer efeitos colaterais continuam a fazer parte das nossas ferramentas”.

No seu discurso de abertura dos trabalhos desta terça-feira do Fórum do BCE em Sintra, o presidente da instituição referiu ainda que o Conselho de Governadores do banco central decidirá “nas próximas semanas” se tomará novas medidas e adiantou que serão estudados todos os instrumentos disponíveis.

“Não estamos resignados a ter uma baixa inflação”, assegurou, sublinhando que o BCE “continua comprometido” com os seus objetivos.

A sexta edição do Fórum do BCE e último com Mario Draghi na liderança começou segunda-feira, em Sintra, e decorre até quarta-feira, sob o mote dos 20 anos da zona euro.

O evento reúne governadores dos bancos centrais, académicos, decisores políticos e especialistas do mercado financeiro para trocar perspetivas sobre as principais questões de política monetária.

O mandato de Draghi termina em 31 de outubro e os nomes mais referidos para lhe suceder incluem o governador do Banco de França, François Villeroy de Galhau, o membro da Comissão Executiva do BCE, Benoît Coeuré, o governador do Banco da Finlândia, Olli Rehn, e o seu antecessor Erkki Liikanen, e o presidente do Bundesbank (o banco central alemão), Jens Weidmann.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
BCE

Arrivederci, Mario!

Jorge Silveira Botelho

Os que creem que as taxas de juro na Europa não sobem não se iludam. Quem de perfeito juízo acredita que Draghi deixará em mãos alheias o anúncio do fim do ciclo monetário que tão arrojadamente abriu?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)