Rádio Observador

Execução Orçamental

Centeno recusa maquilhagem das contas, PSD fala em “truque” e “artimanha”

PSD questiona razão para atrasos no decreto-lei de execução orçamental, admitindo que possa ter sido “artimanha”. Debate sobre serviços públicos marcou última audição de Centeno nesta legislatura.

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

O ataque foi feito pelo deputado social-democrata Duarte Pacheco, que questionou “por que razão é que o governo se atrasou na entrega do documento de execução orçamental” e “que custo teve para o funcionamento dos serviços sociais”, tendo em conta que o Orçamento do Estado “foi aprovado no tempo normal e não aconteceu nada de especial no primeiro trimestre” que justificasse o atraso. Mais: o deputado admitiu que possa haver “maquilhagem das contas públicas”, um “truque”, uma “artimanha para iludir os portugueses”.

Mário Centeno garantiu que “não há nenhum problema com o documento de execução orçamental”, que o decreto-lei “foi preparado durante o período de tempo que foi necessário preparar” e que “se houvesse maquilhagem, ela já teria caído” depois de 4 anos de governação. “Pode tirar isso do seu espírito”, atirou Centeno a Duarte Pacheco na comissão parlamentar de Orçamento e Finanças.

Mais tarde, o ministro das Finanças insistiria que “não há maquilhagem, não há adiamento de despesa, não há qualquer gestão eleitoral do saldo orçamental“. Uma resposta a Paulo Trigo Pereira, deputado que foi socialista, mas que agora não está inscrito em nenhum grupo parlamentar. Apesar de ter várias cadeiras livres à esquerda do PS, o deputado senta-se entre PCP e Bloco de Esquerda.

A discussão sobre o decreto-lei de execução orçamental — que regula a forma como é gasto o dinheiro previsto no orçamento do Estado — surge depois de o documento ter dado entrada em Belém, com o Presidente da República a notar publicamente o atraso. “Significa, portanto, que durante meio ano a execução orçamental foi feita sem necessidade de decreto de execução orçamental, o que revela uma subtileza e inteligência de gestão financeira grande”, considerou Marcelo Rebelo de Sousa esta segunda-feira.

“Vá para as filas”, sugere o PSD

Esta é já a 73ª vez que Centeno é ouvido numa comissão parlamentar desde que é ministro das Finanças — tal como o próprio fez questão de assinalar — e, tal como em tantas outras ao longo da legislatura, a discussão cedo azedou com o PSD.

Mário Centeno fez mais um balanço do trabalho feito pelo governo — no controlo das contas públicas, na geração de emprego, na redução dos juros, etc. —, sendo acusado de fazer propaganda. Entre muitos outros números, o ministro das Finanças avançou que as remunerações aumentaram 20% em 4 anos — 13% por via do aumento do emprego e 7% por via do aumento médio nos salários; que o emprego aumentou 9% desde 2015; que as contas públicas estão em ordem; e que os juros estão mais baixos. “Nunca antes tantas contas bateram certo”, concluiu Centeno.

A resposta do PSD não se fez esperar. “Depois deste momento de campanha eleitoral, em nome dos portugueses, tenho de o trazer à realidade do país”, ironizou Duarte Pacheco. O deputado social-democrata lembra que “Portugal regressou a um défice externo”, que o poder de compra dos portugueses caiu no ranking europeu, sendo hoje “o oitavo mais pobre da UE” e apontou baterias à “degradação completa dos serviços públicos”, seja nos transportes, na Saúde e na justiça”. A discussão sobre os serviços públicos acabaria mais uma vez por marcar o debate.

“A situação é ainda mais grave” — acusou Duarte Pacheco, enquanto Mário Centeno abanava a cabeça, a sorrir — “porque se metem mais dinheiro, se conseguem canalizar mais recursos e a situação se degrada, como os portugueses sentem… O senhor ministro abana com a cabeça? Então vá à linha de Sintra ou à linha do Oeste, com a supressão sistemática de comboios, e depois ria-se das pessoas que estão a usar a esses serviços

— “Estou a rir-me de si, não dos portugueses”, interrompeu Centeno.

— “Não, senhor ministro, o senhor farta-se de rir nestas audições”, retorquiu o deputado social-democrata. “Vá para as filas em que as pessoas querem tirar cartão do cidadão”, sugeriu Duarte Pacheco, “para perceber a degradação real dos serviços públicos”.

Mário Centeno repetiu que hoje o Estado emprega mais pessoas e investe mais nos serviços públicos, rejeita todas as críticas e acusa o PSD de não ter investido quando teve oportunidade.

“Não pode continuar a imputar a degradação dos serviços públicos ao governo anterior”, respondeu Duarte Pacheco.

Os restantes partidos da oposição insistiram no tema. João Almeida, do CDS, apontou para  uma aparente contradição: “Se empregou mais gente e gastou mais dinheiro e o ‘output’ é pior, isso é especialmente relevante”. O deputado centrista questionou o governo sobre o que poderá acontecer ao país no dia em que a economia tenha uma viragem mais abrupta, tendo em conta o aumento da despesa rígida com despesa. “Como é que no futuro — sem ser com aumento de impostos — vai fazer face a um ciclo económico diferente?”

Também o PCP criticou “a obsessão do governo em relação ao défice e a divida”, entendendo que “há margem para melhorar a qualidade dos serviços públicos”.

Centeno respondeu que tem havido investimento e apresenta números relativamente ao Serviço Nacional de Saúde, com “mais consultas, mais cirurgias, mais cirurgias em ambulatório” no último ano. “Querem todos mais, mas mais é o que já temos no SNS”, defendeu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vroliveira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)