O Presidente dos EUA, Donald Trump, avisou o Irão de que não deve fazer “ameaças” aos EUA, referindo que estas podem vir a “morder como nunca”.

Donald Trump reagiu assim ao aviso do Presidente do Irão, Hassan Rouhani, que disse que a partir de 7 de julho passará a enriquecer urânio para lá do limite de 3,67%, caso não houvesse um regresso ao acordo nuclear assinado em 2015 entre o Irão e outros seis países, além da União Europeia. “Vamos aumentar o nível de enriquecimento de urânio para lá de 3,67% tanto quanto quisermos, tanto quanto necessário, tanto quanto for preciso”, disse Hassan Rouhani.

Perante esta tomada de posição de Teerão, Donald Trump recorreu ao Twitter para dizer ao Irão: “Tenham cuidado com as ameaças, Irão. Elas podem voltar atrás e morder-vos como ninguém alguma vez mordeu!”.

A tomada de posição do Irão mereceu críticas também de França. “Colocar o acordo sob questão apenas vai aumentar as tensões por si só altas na região”, disse Agnes von der Muhll, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros de França. “O Irão não vai ganhar nada ao sair do acordo de Viena”, disse a mesma responsável, em alusão ao acordo assinado em 2015 entre Irão, EUA, França, Alemanha, Reino Unido, China, Rússia e a União Europeia.

O estranho culto iraniano que gritava “Morte à América” e agora tem amigos na Casa Branca e apoia uma guerra dos EUA contra o Irão