Rádio Observador

Estados Unidos da América

Se alguém chegar mesmo a invadir a Area 51, o que irá encontrar?

138

Mais de um milhão e meio de pessoas de todo o mundo dizem estar afim de invadir a misteriosa e ultra-secreta base militar norte-americana. À sua espera podem estar coisas perigosas.

Corbis via Getty Images

Tudo começou como uma brincadeira, cresceu e hoje arrisca-se a entrar na história: até ao momento em que estas palavras foram escritas 1,6 milhões de pessoas confirmaram num evento do Facebook que querem invadir a misteriosa base militar norte-americana Area 51. Popular entre os adeptos das teorias da conspiração e fãs de ficção científica — afinal, uma das teorias mais famosas (mas não necessariamente verdadeira) diz que nesta base militar moram as provas de que existem aliens –, esta zona ultra secreta localiza-se no deserto do Nevada e continua a ser uma grande incógnita para o mundo inteiro. O que poderão encontrar, então, os aventureiros que a querem invadir? Foi isso que o jornal espanhol El Confidencial tentou responder.

Antes de mais, é importante assinalar que de todas essas 1,6 milhões de pessoas, nenhuma, absolutamente nenhuma, pode aparecer no lugar e data acordada para a invasão: 20 de setembro. Por muito que nos últimos tempos tenha havido uma enorme atenção mediática em torno do evento é importante não esquecer que isto é uma brincadeira. Envolve milhões de pessoas por todo o mundo, certo, mas não passa disso.

Mesmo assim, no caso hipotético (e distante) de haver alguém a invadir a Area 51, é muito provável que isso seja a última coisa que faça.

A zona em questão, cujo perímetro está delineado por postes cor-de-laranja, é conhecida por estar vigiada não só por sistemas de segurança de alta-tecnologia, com sensores de movimento e câmaras de alta-definição, mas também guardas armados e camuflados — que não são nada simpáticos, como se pode ver em alguns vídeos.

Estes guardas, segundo o blog Foxtrot Alpha, estão abrangidos pelo Internal Security Act, uma lei federal de 1950, que os autoriza a disparar para matar sobre qualquer pessoa que se recuse a cumprir as suas ordens. A utilização de “força letal” está justificada para qualquer tipo de desobediência, por mais pequena que seja.

A Area 51 continua a ser um dos lugares mais secretos do mundo, o que o torna um polo apetecível para todos os tipos de teorias de conspiração. Para esta realidade contribui o facto de durante vários anos — pelo menos até ao dia 29 de setembro de 1995 — o Governo dos EUA não reconhecer a existência desta base militar que ocupa 1,2 milhões de hectares e tem um espaço aéreo restrito de 12.950 quilómetros quadrados.

O primeiro grande “boom” de popularidade desta Area 51 surge na década de 20, quando uma alegada nave extraterrestre se despenhou perto da cidade de Roswell, Novo México. Diz a lenda que essa suposta ‘nave’ foi recolhida e transportada para esta base. Um suposto transportador desta nave chamado Bob Lazar — que na verdade é um conhecido conspirador e “físico” auto-proclamado — , tratou de popularizar esta teoria que é veemente negada pelo Governo norte-americano.

Agora, depois da viralidade alcançada por esta “brincadeira”, a Força Aérea norte-americana viu-se obrigada a responder, não vá o diabo tecê-las…

A porta voz deste ramo militar, Laura McAndrews, assegurou num comunicado ao jornal USA Today que estão a par dos planos, não especificando se estava preparado algum plano de contingência.

Em vez disso, os militares preferiram advertir qualquer um que pense em levar a sério este desafio: “A base de testes de Nevada é uma área em que a Força Aérea testa caças de combate. Qualquer tentativa de a visitar de forma ilegal será muito perigosa.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)