Rádio Observador

Seleção Nacional

“Fomos e somos melhores”. A confiança do Mr. Moderação e o único pedido de Cristiano Ronaldo, que só quer “continuar assim”

117

Fernando Santos largou por momentos a confiança habitual e disse que Portugal ganhou porque "foi melhor". E Cristiano Ronaldo, que assume o "bom momento", só tem um pedido: "Continuar assim".

Portugal é a equipa europeia com a maior série atual de jogos sem perder

AFP/Getty Images

Existe uma palavra que normalmente é utilizada para descrever Fernando Santos. Moderação. Em Paris, com Portugal à beira de se tornar campeão europeu pela primeira vez na história, o selecionador nacional foi moderado e ia pedindo a Cristiano Ronaldo que parasse de saltar porque o apito final ainda não tinha soado. Depois de vitórias, conquistas, goleadas, o selecionador nacional relativizou sempre e apontou aspetos a melhorar. Na caminhada para a fase final de um Europeu onde Portugal vai aparecer, ao que tudo indica, enquanto campeão em título, o selecionador nacional lembrou sempre que a Sérvia é poderosa, que a Ucrânia é matreira, que o Luxemburgo é perigoso. Até esta terça-feira, em Vilnius.

Depois da goleada imposta pela Seleção Nacional à Lituânia, onde Cristiano Ronaldo marcou quatro golos e William Carvalho ainda encerrou as contas (1-5), Fernando Santos tinha a explicação para o jogo totalmente clara. “Ganhámos porque somos e fomos melhores. São três pontos muito importantes mas temos mais quatro finais para ganhar. Só assim vamos conseguir chegar ao final no primeiro lugar”, explicou o treinador, que repetiu fomos melhores mais do que uma vez e estava totalmente seguro da qualidade da equipa que orienta. Mas o repentino ato de confiança de Fernando Santos durou pouco tempo e depressa o selecionador regressou à moderação, à relativização e ao sublinhar dos pontos menos positivos. “Não estivemos bem em termos de organização e isso é culpa minha. Deixámos o jogo partir, que era o que eles queriam, para baterem a bola na frente. Criaram-nos problemas assim. Se tivéssemos feito na primeira parte o que fizemos na segunda tudo teria sido mais diferente”, garantiu o selecionador, que levou Portugal a tornar-se a seleção europeia com mais jogos seguidos sem perder (12).

Sobre Cristiano Ronaldo, que Fernando Santos considera o único jogador “indiscutível” na Seleção Nacional, o treinador voltou a ser bastante sintético e disse aquilo que, nesta altura, está na cabeça de praticamente todos os portugueses. “É o melhor do mundo. Isto foi a prova clara e inequívoca de que é o melhor do mundo”, atirou o selecionador, que acrescentou ainda que a seleção portuguesa tem “quatro finais pela frente” e “capacidade” para chegar ao Europeu. Já o “melhor do mundo”, que voltou a marcar quatro golos por Portugal e leva 93 desde que a primeira internacionalização, só tem um pedido.

“É como digo sempre: não vivo o futebol a pensar nos prémios individuais. Obviamente que são uma consequência do que ganho coletivamente mas o importante era ajudar a Seleção. Fiz um golo na Sérvia e quatro hoje [terça-feira] e o que mais quero é continuar assim”, explicou o capitão da seleção portuguesa, que reconheceu estar a atravessar “um bom momento”. “É um orgulho representar a Seleção. Estamos a passar um bom momento, eu estou a passar por um bom momento. A equipa esteve bem e é desfrutar deste momento, não só por marcar os golos mas pelo nível da equipa nos últimos anos. Estou muito feliz por isso. O mais difícil foi feito, era ganhar na Sérvia e hoje [terça-feira]. Estamos mais perto. Os próximos dois jogos são contra o Luxemburgo em casa e depois Ucrânia. Se ganharmos um, acho que é suficiente”, defendeu Ronaldo. Contas feitas, Portugal reforçou o segundo lugar do Grupo B e está em boa posição para chegar ao primeiro lugar, atualmente ocupado pela Ucrânia, que tem mais um jogo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)