Rádio Observador

Seleção Nacional

Ronaldo ainda bate os recordes possíveis aos 34 anos. O impossível, esse, está cada vez mais perto

741

De forma sintética, Ronaldo explicou no sintético de Vilnius o porquê de ser um dos melhores de sempre. Marcou mais quatro golos, somou outros tantos recordes. E há um sonho a tornar-se mais real.

Ronaldo marcou o segundo póquer pela Seleção Nacional depois dos quatro golos apontados frente a Andorra, em 2016

AFP/Getty Images

Cristiano Ronaldo será sempre aquele jogador que, na altura de abordar as possibilidades de ganhar qualquer prémio individual, recorda aquilo que conquistou em termos coletivos – e foi isso que aconteceu na antecâmara da entrega do galardão do Melhor Jogador do Ano na UEFA, que viria a ser atribuído ao central Van Dijk. No entanto, esses títulos existem muitas vezes graças às façanhas individuais que no final fazem toda a diferença e que nem a idade consegue ser capaz de travar. Esta noite, em Vilnius, o avançado de 34 anos mostrou que a data de nascimento é um adversário tão contornável como aqueles que tem encontrado ao longo de mais de uma década e meia. E é dessa forma que o sonho impossível se torna cada vez mais real.

Com o póquer apontado frente à Lituânia, Ronaldo tornou-se o primeiro jogador português a marcar quatro golos em mais do que um jogo, repetindo aquilo que já tinha conseguido frente a Andorra em 2016 e superando os registos que tinham sido alcançados antes por outros três avançados da Seleção num passado mais longínquo e recente: Eusébio, Pauleta e Nuno Gomes.

Com o 5-1 desta noite, Portugal ultrapassou também a fasquia dos 200 golos em fases de qualificação para o Europeu (tendo agora 204) e, como não poderia deixar de ser, a presença do número 7 neste ranking é incontornável: além de ter feito o 200.º remate certeiro, Ronaldo reforçou o estatuto de melhor marcador nacional com mais do dobro do segundo neste particular, o antigo avançado e agora diretor de Federação Portuguesa de Futebol, João Vieira Pinto (12).

Em paralelo, e em termos de golos em fases de qualificação para o Campeonato da Europa, o capitão de Portugal alcançou outro recorde, superando os 23 golos do irlandês Robbie Keane e passando a somar um total de 25 numa tabela onde estão também outros nomes como o turco Hakan Sukur (20), o sueco Zlatan Ibrahimovic (19) ou o dinamarquês Tomasson (19).

Assim, o capitão da Seleção Nacional passou a somar um total de 93 golos por Portugal, ficando “apenas” a 16 golos de Ali Daei, ex-avançado iraniano que tem o recorde de golos apontados por uma seleção. E aquilo que parecia um registo impossível começa a ganhar contornos de alcançável, sobretudo fazendo as contas à média de dois golos por jogo do avançado nos últimos quatro encontros realizados. De referir que, até ao final do ano civil, Portugal terá ainda um duplo compromisso com a equipa do Luxemburgo, além da viagem à atual líder Ucrânia e da receção à Lituânia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)