Novo dia, novo tweet. Desta vez, o ‘alvo’ do presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, foi António Guterres. Na terça-feira, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) anunciou que a organização regista um défice financeiro de 230 milhões de dólares (cerca de 209 milhões de euros), alertando que o dinheiro pode mesmo acabar até ao final deste mês. Na resposta desta quarta-feira, Donald Trump deixou uma ‘provocação’: “Faça com que todos os estados-membros paguem, não apenas os Estados Unidos!”, escreveu.

Donald Trump tem sido crítico quanto à contribuição dos EUA no orçamento da ONU, tendo pedido por várias vezes uma reavaliação dos montantes transferidos. O país é o principal contribuinte da organização e, em 2018, assegurou entre 22% e 28% das contribuições todas.

Numa carta interna enviada na segunda-feira aos cerca de 37 mil funcionários da ONU, Guterres adiantou que o orçamento operacional da organização regista, desde finais de setembro, um défice financeiro de 230 milhões de dólares (cerca de 209 milhões de euros), acrescentando que “as últimas reservas de tesouraria podem esgotar até ao final do mês”.  O secretário-geral garantiu ainda que serão tomadas medidas para assegurar que o pagamento de salários não esteja em risco até ao final deste ano — por exemplo, a possibilidade de adiar conferências e reuniões previstas ou limitar as viagens oficiais às atividades consideradas como mais essenciais.

“Até à data, os Estados-membros pagaram apenas 70% do montante total necessário para as atividades inscritas no orçamento ordinário de 2019”, escreveu Guterres, acrescentando que “escreveu aos Estados-membros a 4 de outubro para lhes explicar que as atividades financiadas via orçamento ordinário estão num estado crítico”.