O Governo dos EUA autorizou o envio de 1.800 soldados adicionais e equipamentos militares para a Arábia Saudita, no meio de uma escalada de tensão no Médio Oriente, segundo informou esta sexta-feira o Pentágono. No último mês, os EUA já enviaram mais 3.000 soldados para o país, avança o The Washington Post.

O secretário de Defesa norte-americano, Mark Esper, anunciou esta sexta-feira que o reforço da posição militar dos EUA na região do Golfo, com o destacamento de mais soldados e um forte arsenal que inclui mísseis defensivos terra-ar Patriot.

O príncipe herdeiro saudita, Mohamed bin Salman, foi esta sexta-feira informado da decisão, que visa “garantir e melhorar a defesa da Arábia Saudita”, segundo o comunicado emitido nesta sexta-feira pelo Pentágono.

O anúncio acontece no dia em que um petroleiro iraniano foi atingido por dois supostos ataques de mísseis no mar Vermelho, a curta distância da Arábia Saudita, constituindo o mais recente de uma longa série de incidentes militares na região.

Em setembro, vários países ocidentais juntaram a sua voz na acusação contra o Irão de responsabilidade nos ataques aéreos contra a principal base petrolífera da Arábia Saudita, apesar de Teerão ter negado a autoria do atentado.

Mais de 14 mil tropas americanas foram enviadas para a região desde a primavera, disse ainda o Pentágono, ressalvando que a qualquer momento podem avançar mais unidades adicionais do Exército, da Força Aérea, da Marinha e do Corpo de Fuzileiros Navais.