O analista de sistemas informáticos Edward Snowden, que publicou documentos confidenciais sobre o programa de vigilância dos Estados Unidos e foi acusado de espionagem, andou nos ficheiros da CIA à procura de provas da existência de aliens e pode relatar que as teorias da conspiração não são verdadeiras, noticiam os meios de comunicação norte-americanos esta semana.

Como ex-funcionário da CIA e da Agência de Segurança Nacional (NSA), Snowden tinha acesso aos segredos mais íntimos dos Estados Unidos. E, como qualquer mente curiosa, não resistiu a procurar respostas para algumas das perguntas mais prementes da sociedade.

De acordo com Snowden, ao que parece, o governo norte-americano não tem conhecimento de vida extraterrestre.

“Só para que conste, tanto quanto consegui averiguar, os alienígenas nunca entraram em contato com a Terra, ou pelo menos não entraram em contato com os serviços de inteligência dos EUA”, divulgou o analista no seu mais recente livro de memórias, “Vigilância Massiva, Registo Permanente”.

O responsável pela maior fuga de informação da história, que vive há já 6 anos em exílio forçado na Rússia, voltou a abordar o tema esta quarta-feira num podcast de um comediante norte-americano, afirmando que se a informação “está escondida, e pode estar, está realmente muito bem escondida, mesmo de pessoas que estão lá dentro”, referindo-se à Área 51, onde se acredita estarem provas de que os extraterrestres visitaram a cidade de Roswell em 1947.

“Toda a gente quer acreditar em teorias da conspiração porque isso ajuda a dar sentido à vida”, considerou ainda.

Além disso, no seu livro, Snowden confirmou também que a aterragem do Homem na Lua de facto aconteceu e que as alterações climáticas são reais.

“Em caso de estar a questionar-se: sim, o Homem realmente aterrou na Lua. As alterações climáticas são reais. Os chemtrails não são uma coisa”, acrescentou.

A teoria da conspiração dos chemtrails sugere que os rastros deixados por alguns aviões são na verdade agentes químicos ou biológicos, deliberadamente pulverizados a grandes altitudes, com propósitos desconhecidos ao público, que podem prejudicar a saúde da população.