Quase três meses depois da morte da filha, de apenas nove anos, Luis Enrique está de regresso ao comando da seleção espanhola. Xana, a filha do treinador, morreu no final de agosto depois de uma batalha contra um osteossarcoma, um tipo de cancro nos ossos, mas o espanhol já tinha abandonado o cargo no mês anterior: ainda que invocando sempre “motivos de força maior”, sem nunca revelar ao público a tragédia familiar que atravessava. Agora, confirmada a qualificação de Espanha para o Euro 2020 pela mão de Robert Moreno, o antigo adjunto que ficou como interino, Luis Enrique vai voltar a ser selecionador espanhol.

“Hoje podemos confirmar que Luis Enrique regressa ao seu posto de selecionador. Todos sabiam que se Luis Enrique quisesse voltar tinha as portas da seleção abertas. Transparência e rigor. Foi o Robert Moreno que nos transmitiu que tinha falado com Luis Enrique e que ele lhe tinha dito que tinha vontade de voltar. Nós soubemos pelo Robert Moreno que Luis Enrique queria voltar a treinar. O próprio Robert Moreno disse-nos que queria acordar a própria saída para não impedir o regresso de Luis Enrique”, disse esta terça-feira, em conferência, Luis Rubiales, o presidente da Federação espanhola, para explicar o processo da entrada e da saída dos dois treinadores.

A imprensa espanhola garante que Luis Rubiales sempre olhou para Robert Moreno enquanto solução interina e nunca acreditou na longevidade do treinador enquanto selecionador, preferindo e privilegiando sempre o regresso do antigo técnico do Barcelona — quando este quisesse e quando se sentisse preparado. Além disso, Rubiales tinha clara a ideia de que Moreno não tinha mão no balneário e de que o capitão, Sergio Ramos, tinha mais poder dentro do grupo do que o próprio selecionador. Segundo o jornal Marca, Moreno terá sabido esta segunda-feira, depois da goleada à Roménia, que não iria permanecer no cargo: despediu-se em lágrimas dos jogadores, muitos deles chamados à seleção pela primeira vez nos últimos meses, e já não compareceu na conferência de imprensa. Ainda assim, esta terça-feira e enquanto anunciava o regresso de Luis Enrique, Rubiales garantiu então que foi o próprio Moreno a colocar o lugar à disposição para permitir que o treinador voltasse.

No verão do ano passado, Luis Enrique foi o escolhido pela Real Federação Espanhola de Futebol para substituir Fernando Hierro no comando da seleção espanhola. Hierro, que tinha ficado com o cargo depois da situação atípica que levou ao despedimento de Lopetegui já durante a concentração na Rússia, para o Mundial, porque o técnico decidiu anunciar que ia ser treinador do Real Madrid logo após a competição, abriu espaço à entrada de um bicampeão espanhol e campeão europeu ao comando do Barcelona. A experiência, pelos piores motivos, durou menos de um ano.

Luis Enrique fez sete jogos entre Liga das Nações e particulares, com cinco vitórias e duas derrotas – falhando na última ronda a qualificação para a final four da nova competição da UEFA que Portugal acabou por conquistar, no Porto. Em março de 2019, sem mais detalhes e apenas com a explicação de “motivos de força maior”, o técnico afastou-se do trabalho direto com a equipa apesar de ir monitorizando treinos e jogos a partir de casa, ficando Robert Moreno como treinador de campo. Já em junho, durante uma conferência de imprensa em que esteve ao lado de Luis Rubiales e José Francisco Molina, diretor desportivo, anunciou que iria abandonar o comando técnico da seleção. Na altura, a imprensa espanhola avançou que foi o próprio treinador que, em conversa com Rubiales, terá pedido para se afastar em definitivo dos trabalhos da seleção para se focar de forma exclusiva à situação pessoal difícil que atravessa — e que, até então, nunca havia sido tornada pública. Robert Moreno, até então adjunto, subiu a treinador principal.

O motivo, mais do que infeliz, para a saída surpreendente de Luis Enrique acabou por ser revelado já no final de agosto. Xana, a filha de apenas nove anos do treinador, lutou durante vários meses contra um osteossarcoma até perder a batalha. O treinador anunciou a morte da filha no Twitter, através de um curto comunicado onde garantiu que Xana seria “a estrela guia” que iria “guiar a família”, e o mundo do futebol, principalmente o espanhol, uniu-se em apoio ao técnico. Entretanto, Robert Moreno e a seleção espanhola garantiram a qualificação para o Euro 2020, no primeiro lugar do Grupo F, onde já será Luis Enrique a orientar a equipa. Esta terça-feira, Luis Rubiales garantiu ainda que o selecionador vai permanecer no cargo até ao Mundial do Qatar, em 2022, e que Robert Moreno não vai continuar na equipa técnica da seleção.