Um pai e os dois filhos (um rapaz de 16 anos e uma rapariga com nove) morreram afogados na passada terça-feira, véspera de Natal, na piscina de um complexo balnear na zona de Mijas, perto de Málaga.  De acordo com o jornal El Mundo, O pai e o filho adolescente morreram quando tentavam salvar a rapariga, que começou a ter problemas no decorrer de uma brincadeira com outra menina. A Guardia Civil espanhola está neste momento a estudar a hipótese do afogamento estar relacionado com falhas no sistema de filtragem da piscina, que fica no resort Club La Costa World.

As autoridade terão recebido o alerta por volta das 13h30, hora local. Nesse momento foram logo avisadas de estavam três pessoas inconscientes na dita piscina do complexo balnear. Rapidamente foram enviadas unidades de salvamento, mas nada puderam fazer quando chegaram ao local, os três já estavam sem vida.

As vítimas mortais eram britânicas. O pai teria 53 anos, o filho 16 e a irmã mais jovem nove anos e estavam todos numas férias familiares. Outros membros da família que os acompanhavam tiveram de receber assistência psicológica depois de terem assistido a todo o trágico incidente — foram eles que ligaram para o 112 quando se depararam com a situação.

Os primeiros depoimentos reunidos pela Guardia Civil descrevem uma cenário dramático: Fontes do El P aís junto da investigação contam que a rapariga estava a nadar com uma amiga na piscina quando, de repente, se sentiu mal disposta e não estava a conseguir sair da água. O seu pai e irmão lançaram-se de imediato mas não conseguiram resgatá-la. Ainda houve tentativas de reanimação mas estes esforços revelaram-se insuficientes. A família previa ficar hospedada nesta zona de Mijas de dia 21 o 28 de dezembro.

Como é possível que um adulto de 53 anos e um adolescente de 16 não tenham conseguido tirar de dentro de água uma rapariga de 9 anos? — Esta é a grande pergunta que continua por ser respondida. Contudo, os investigadores da Guardia Civil estão a reunir provas que, tudo indica, parecem apontar o sistema de filtragem da piscina como sendo o fator que desencadeou esta tragédia.

Os agentes da Unidad de Policía Judicial pediram o envolvimento do Grupo Especial de Actividades Subacuáticas (GEAS) e este levou a cabo uma minuciosa avaliação do dito sistema de filtragem para saber se ele poderia ter sugado a rapariga e, dessa forma ter dificultado o seu resgate. Este especialistas descobriram peças de roupa que podem ser das vítimas e retiraram também amostras de água para serem analisadas. 

Um trabalhador do hotel estava a passar pela zona da piscina quando assistiu à situação. Às autoridades relatou que imediatamente se atirou para dentro de água e teve muita dificuldade em sair. Não obstante, outras fontes deste jornal espanhol pediram muita cautela e explicaram que só nas próximas horas será possível recolher mais informações sobre o sucedido — algumas virão da mãe das crianças e de outro filho menor, por exemplo, que só serão ouvidos agora por terem estado a receber apoio psicológico. Uma das coisas que as autoridades vão querer saber é se os falecidos sabiam ou não nadar.

O resort, entretanto, já se colocou totalmente à disposição das autoridades e da família para ajudar a descobrir o que de facto aconteceu. Começaram logo por dar as mais sentidas condolências à família e, seguidamente, teceram rasgados elogios à forma “rápida e profissional” dos serviços de emergência.

São raros os casos de afogamento em piscinas, nesta altura do ano. A onda de bom tempo que se tem feito sentir nesta região espanhola, ultimamente, fizeram com que esta zona na conhecida Costa del Sol, se tornasse apetecível para todos os que procuram uma alternativa balnear ao frio da quadra.