O grupo automóvel alemão Daimler anunciou esta terça-feira que o lucro caiu 66,7%, em 2019, para 2.400 milhões de euros, devido a custos extraordinários ligados à manipulação de veículos e problemas. Os resultados operacionais também registaram uma queda de 61%, provocando uma diminuição de 4.329 milhões de euros. Apenas a faturação aumentou 3% para 172.745 milhões de euros.

A administração e o Conselho de Supervisão pretendem que na próxima assembleia-geral de acionistas (no dia 1 de abril), sejam avançadas propostas de distribuição de um dividendo de 0,90 cêntimos por ação relativos a 2019, menos 72% que no ano anterior, 3,25 euros por ação. A Daimler vai, assim, distribuir pelos acionistas 1.000 milhões de euros em dividendos relativos ao exercício de 2019, contra 3.500 milhões de euros correspondentes ao exercício precedente.

O presidente do fabricante automóvel, Ola Källenius, manifestou-se insatisfeito com os dados divulgados e lembrou que as despesas extraordinárias prejudicaram o resultado no ano passado.

A multinacional comunicou no ano passado que cortaria 10.000 empregos, mas o diário económico Handelsblatt informou hoje que “a redução será maior”, na casa dos 15.000 empregos, embora a Daimler não tenha comentado a notícia.