“Esse discurso é repugnante”. A expressão não foi um lapso, Costa confirmou-a logo a seguir e com ênfase: “A expressão é mesmo esta: re-pug-nante”. No final da reunião de quinta-feira do Conselho Europeu, por videoconferência, António Costa fez-se porta-voz do descontentamento sobre a desunião na União Europeia. Mas já depois de fazer a mira a três países que não nomeou, e atacou ferozmente a posição assumida pelo Governo dos Países Baixos.

Já no final da conferência de imprensa, depois de uma reunião de chefes de Estado que acabou sem a unanimidade necessária sobre a emissão de dívida comum europeia, os chamados coronabonds, o primeiro-ministro foi questionado pela Antena 1 sobre declarações do ministro das Finanças dos Países Baixos. Wopke Hoekstra terá sugerido uma investigação a Espanha depois de Madrid ter afirmado que não tinha margem orçamental para responder à crise provocada pelo novo coronavírus sem o apoio financeiro da União Europeia. Espanha é o segundo país mais atingido pela pandemia na Europa com mais de quatro mil mortos e a caminho de 6o mil infetados.

Costa reagiu invocando o adjetivo que em alguns dicionários, como o dicionário online do portal Priberam, tem como sinónimos expressões como “asqueroso”, “nojento” e “que indigna”. E explicou porque é que repugnante não é exagero:

Não estamos e ninguém está disponível para voltar a ouvir ministros das Finanças holandeses como aqueles que já ouvimos em 2008, 2009 e 2010. É uma boa altura de compreenderem todos que não foi a Espanha que criou o vírus nem que importou o vírus, atingiu-nos a todos por igual. Se não nos respeitamos e se não compreendemos que perante um desafio comum temos de ter capacidade de responder em comum, então ninguém percebeu nada do que é a União Europeia”, acusou.

O tom era de alguma irritação e desta vez não era o otimismo do PM português que irritava ninguém, mas a “mesquinhez” do governante dos Países Baixos. E o ataque foi desferido invocando ressentimentos antigos: a “mesquinhez”, disse Costa, é “recorrente” e “mina completamente aquilo que é o espírito da União Europeia, é uma ameaça ao futuro da UE”.

As críticas às posições dos Países Baixos foram tão acentuadas que António Costa até pôs a sobrevivência da União Europeia como condição hipotética. “Se a UE quer sobreviver”, alertou o primeiro-ministro português, “é inaceitável que um responsável político, seja de que país for, possa dar resposta dessa natureza perante uma pandemia como a que estamos a viver. Foi à custa disto que todos percebemos que era insuportável trabalhar com o senhor Dijsselbloem”.

“Não se pode gastar em mulheres e álcool e, depois, pedir ajuda”, diz presidente do Eurogrupo

A referência de António Costa a Jeroen Dijsselbloem lembra as palavras do antigo ministro das Finanças holandês e antigo presidente do Eurogrupo, que defendeu, já depois de passado o pico da crise das dívidas soberanas na Europa — que afetou sobretudo Grécia e Portugal —, que as pessoas dos países do sul gastavam dinheiro em vinho e mulheres e depois pediam ajuda aos parceiros europeus. “Pelos vistos há países que insistem em ir mudando de nomes mas mantendo pessoas com o mesmo perfil”, rematou Costa, para terminar a conferência.

A pandemia, tinha recordado antes António Costa, tem efeitos simétricos: atinge todos sem olhar à geografia dos países, se estão mais a sul ou mais a norte.

“Desta vez não estamos numa crise que atinge uns e não atinge outros, estamos numa crise que atinge os 27. Se não é desta vez que todos percebem que temos mesmo de nos juntar para enfrentar em conjunto um problema que é comum, não sei quando acontecerá”, apontou o primeiro-ministro de Portugal, reconhecendo que há “efeitos assimétricos” nas consequências que a pandemia provoca em cada país mas defendendo que isso resulta “de termos uma união económica e monetária que não está devidamente completada”.

Entretanto, sabe-se que o governo holandês vai pedir ao Eurogrupo uma transcrição exata das palavras do ministro das Finanças do país na reunião por videoconferência, para depois reagir às declarações de António Costa. A notícia foi avançada pela TSF, que pediu já na manhã desta sexta-feira ao governo holandês uma reação às palavras ditas ontem à noite por António Costa.

Um acordo poucochinho. Ou “manifestamente insuficiente”

Antes da última resposta incendiária, António Costa já tinha evidenciado que a união da UE não é entre todos. “Este foi o acordo possível mas manifestamente insuficiente para o que é exigível da Europa”, criticou o primeiro-ministro português, explicando porque é que os medicamentos financeiros propostos pela UE para responder ao coronavírus são poucochinhos:

Não podemos continuar a discutir na base tradicional quando temos uma crise que tem uma dimensão muitíssimo superior às que já tivemos até agora”, apontou Costa, lembrando que “ainda não se falou da dotação” para um plano a médio prazo de recuperação da economia europeia.

As divisões na reunião no Conselho Europeu não foram escondidas: António Costa revelou mesmo que houve uma proposta, para emissão conjunta de dívida pela União Europeia, que foi maioritária mas não consensual e avançou números: “Há três países totalmente contra e um que, sendo contra, tem abertura de espírito suficiente para discutir o que nunca esteve disponível para discutir até agora. E essa é uma primeira porta que se abre e dá alguma alento”. Quais são os três países irredutíveis e qual é o país avesso à ideia mas aberto a negociar? Costa não disse, mas os Países Baixos estarão provavelmente no primeiro lote.

O primeiro-ministro português lembrou ainda outras crises, como a das migrações (ou refugiados) e das dívidas soberanas dos países do Sul da Europa, que tiveram como reação uma UE “com divisões e sem dar respostas atempadas”. Se assim for novamente, desta vez com o coronavírus, a União Europeia “sofrerá muitíssimo com esse tsunami”. Para evitar isso, apontou Costa, nove países, entre os quais Portugal, assinaram uma carta a pedir “mais ousadia” à UE para “fazer face a situações extraordinárias”, dado que “é difícil imaginar uma situação mais extraordinária do que esta. Temos de recorrer a todos os instrumentos”.

Costa elogiou ainda assim a “ação determinada do Banco Central Europeu” para “controlar o risco de qualquer crise de dívida soberana” e notou uma “boa tendência de descida” das taxas de juro “que é essencial que se mantenha. Para o BCE, ficaram mesmo reservadas as palavras mais elogiosas: os anúncios de mobilização de 750 mil milhões de euros para intervenção no mercados e de retirada de restrição à criança de linhas de dívida pelos países foi “o contributo mais importante da UE até agora”, considerou o PM português.

As exigências consensuais: mais equipamento, testes e ventiladores. E uma resposta à altura

Com a reticência de alguns países que entendem que alargar a união económica e monetária para responder em bloco ao coronavírus é prejudicial aos seus interesses, o texto final das resoluções adotadas esta quinta-feira pelo Conselho Europeu deixa algumas exigências e sinais de insatisfação. Porém, pouco concretos, à exceção de uma maior distribuição de material médico e kits de testes pelos Estados europeus. Propostas  mais profundas como as coronabonds foram descartadas.

À Comissão Europeia, por exemplo, é requerido que “prossiga e acelere os seus esforços” para garantir provisão de equipamento médico suficiente nos Estados-membros. É a prioridade mais “aguda”, lê-se entre as resoluções. Mas não é a única exigência à CE: “Pedimos à Comissão que explore formas de acelerar os procedimentos” quanto aos ventiladores, EPI (Equipamento de Proteção Individual) e kits de testes, assinaram em conjunto os países com assento no Conselho Europeu. É ainda “urgente aumentar a capacidade de testar” possíveis infetados, à luz das “recomendações da Organização Mundial de Saúde”, e os Estados-membros vão “reportar” isso mesmo à Comissão Europeia.

Ao Eurogrupo, os países com assento no Conselho Europeu pedem que se “apresente propostas no prazo de duas semanas”, propostas que “tenham em conta a natureza sem precedentes do choque provocado pela Covid-19”. O choque, lê-se ainda entre as resoluções, afeta “todos os nossos países” e é preciso uma resposta “à mesma altura”. O Eurogrupo deve “apresentar as condições da mobilização de uma linha do instrumento de estabilidade europeia para financiar os Estados na crise do coronavírus, no montante global de 240 mil milhões de euros”, explicou posteriormente Costa. Já os ministros das Finanças europeus são desafiados a “explorar sem demora as possibilidades de escalar a resposta geral do Banco Europeu de Investimento ao coronavírus”.

Artigo atualizado às 11h10 de dia 27 de março, com a indicação de que o governo holandês pediu a transcrição das palavras de Hoekstra para reagir às declarações de António Costa.