“Um país crescidinho.” A expressão foi usada há duas semanas pelo primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, para justificar a recusa da Holanda em adotar um isolamento radical em todo o país. “As pessoas estão contentes por estarem a ser tratadas como adultos“, acrescentou. Desde o início da crise da Covid-19 na Europa, a Holanda tem-se destacado pela abordagem controversa, quer às políticas de saúde pública, quer às medidas de mitigação do impacto económico da doença.

Rutte optou por adotar no país um lockdown “inteligente”, evitando, por um lado, estagnar por completo a economia, e permitindo, por outro lado, criar a chamada imunidade de grupo no país. Confiante que os holandeses não precisariam de medidas mais restritivas para adotarem um comportamento que evitasse a disseminação do vírus, o primeiro-ministro holandês optou por fechar apenas alguns setores económicos onde o risco de contágio era maior.

Criticado por estar a adotar uma estratégia que não protegia os mais vulneráveis e que implicava aceitar como inevitável a morte de um grande número de pessoas, Mark Rutte disse que o objetivo era precisamente o oposto. “Quanto maior for o grupo que adquire imunidade, mais baixa é a possibilidade de o vírus atingir pessoas mais velhas e vulneráveis ou com outros problemas de saúde”, afirmou o governante. “Podemos atrasar a disseminação do vírus e, ao mesmo tempo, construir imunidade de grupo de uma forma controlada.

A estratégia holandesa sempre foi apresentada como uma abordagem alternativa àquela seguida por outros países europeus, nomeadamente os países do sul da Europa, onde foram impostas medidas de isolamento completo a nível nacional, com fortes impactos económicos como consequência. Uma estratégia que teria vantagens não só económicas como também em termos de saúde pública.

Por esta altura, contudo, a Holanda é o nono país a nível mundial com maior taxa de mortalidade associada ao coronavírus — o sexto, se retirarmos da lista três pequenos territórios (San Marino, Andorra e Sint Maarten) onde a muito reduzida população não permite tirar conclusões claras sobre esta matéria. Na Holanda, a Covid-19 provocou a morte a 165 pessoas por cada milhão de habitantes. Com quase 27 mil infetados e mais de 2.800 mortos, é o décimo país com mais vítimas mortais a nível mundial — e começam a surgir dúvidas sobre a eficácia da estratégia holandesa.

O governo holandês continua a insistir que o país não está sob isolamento. Porém, as medidas restritivas têm vindo a ser cada vez mais apertadas. O país já encerrou cafés e restaurantes, implementou a obrigatoriedade de todos os cidadãos se manterem a 1,5 metros uns dos outros e recomenda a toda a gente que apenas saia de casa em caso de necessidade. E as escolas mantêm-se fechadas até, pelo menos, ao final das férias escolares, que, naquele país, ocorrem em maio.

No centro das preocupações holandesas tem estado o impacto económico da pandemia — um impacto que o país já está a sentir quando, por exemplo, os produtores de túlipas se viram recentemente forçados a destruir centenas de milhares de flores que não conseguem vender.

Foi essa preocupação que fez ascender, nas últimas semanas, o ministro das Finanças holandês, Wopke Hoekstra, ao lugar de inimigo número um dos países do sul da Europa. O político de 44 anos foi alvo das críticas de António Costa, que classificou como “repugnante” o seu pedido de investigação aos países do sul por não terem fundos para responder à pandemia, e tem sido o rosto de uma intransigência financeira face aos países do sul no que toca à resposta europeia comum à crise.

Esta segunda-feira, numa entrevista à TVI, o ministro das Finanças de Portugal, Mário Centeno, que lidera o Eurogrupo, admitiu que a Holanda foi “o último país” a juntar-se ao pacote de medidas aprovado recentemente para apoiar os países da União Europeia face à pandemia. “E foi o mais reticente“, acrescentou Centeno.

A forma como tem lidado com a resposta económica à pandemia a nível europeu reforçou a sua popularidade a nível interno e Hoekstra é um nome frequentemente falado para liderar, no futuro, o governo holandês. Mark Rutte, que está no poder há dez anos, também tem beneficiado politicamente da sua gestão da pandemia. Resta saber se, tendo em conta a forma como o vírus se tem disseminado no país, essa tendência de apoio se vai manter.