(Artigo em atualização)

Nunca se viu nada assim. O barril de petróleo afundou esta segunda-feira ao final da tarde para valores negativos na negociação em Nova Iorque, segundo as agências Reuters e Bloomberg. Os produtores estão a pagar aos compradores para se verem livre do petróleo que não vão conseguir escoar em maio.

A queda abrupta na procura, por causa da pandemia, deixou o mercado “inundado” de petróleo. E as notícias de que os EUA estariam a esgotar a capacidade de armazenamento fizeram o resto. O gráfico da Bloomberg às 15h15 locais (20h15 de Lisboa) desta segunda-feira era esclarecedor.

Fonte: Bloomberg

Estão em causa as entregas de petróleo que vão ser feitas em maio, com o West Texas Intermediate (WTI) — que serve de referência para os preços do crude nos EUA — a atingir os 37 dólares negativos esta segunda-feira, uma quebra de 55 dólares, segundo a Bloomberg.

Entre as últimas horas de segunda-feira (quando terminou o prazo para comprar e vender petróleo para o mês de maio) e as primeiras horas de terça (contratos para o mês de junho), o preço do barril de WTI subiu temporariamente, mas não de forma tão pronunciada como descera horas antes — às 20h00 locais (01h00 de Lisboa) o preço do barril voltou a valores positivos, nunca acima dos 2,20 dólares. Só que depois das 3h00 locais (08h00 de Lisboa) já voltava a território negativo, atingindo 1,28 dólares negativos uma hora e meia depois (09h30 de Lisboa) e com tendência para descer.

Gráfico da agência Bloomberg, às 04h28 de Nova Iorque (09h28 de Lisboa)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Por outro lado, o preço do barril de petróleo Brent — que serve de referência para Portugal — teve esta segunda-feira uma queda mais suave, atingindo 25,88 dólares (positivos) por barril, uma quebra de dois dólares (-7,83%). No dia seguinte, esta terça-feira, a queda viria a acentuar-se: às 09h50, o valor do barril de Brent é já de 22,07 dólares, segundo a Bloomberg.

No entanto, no caso das entregas em junho, o preço está a um nível bem mais elevado (ainda que historicamente baixo), com o barril de petróleo em Nova Iorque a valer 21,60 dólares. O diferencial entre maio e junho foi, de acordo com a Reuters, o maior da história entre contratos de dois meses seguidos.

“Um dia histórico”, que é “terrível para os produtores”

“É um dia histórico. O que significa é que não há mais armazenamento disponível e, portanto, o preço da mercadoria é efetivamente inútil”, diz Bob Yanger, especialista do banco de investimento Mizuho, em declarações à agência Reuters. “Como não há onde colocá-lo, basicamente tem de se despejar. Eles não o querem. Então, quando é menos de um dólar, eles pagam um dólar para tirá-lo de lá”, diz Yanger, que estranha, em todo o caso, que se tenha esgotado a capacidade de armazenamento, tendo em conta os últimos dados disponíveis.

John Kilduff, do fundo de investimento Again Capital LCC, também citado pela Reuters, explica que, “em condições normais, isto seria um estímulo para a economia em todo o mundo — significaria um acréscimo de 2% no PIB”. Só não se veem poupanças “porque ninguém está a gastar combustível”. “Mas, obviamente, é terrível para os produtores” de petróleo, diz o analista, que não espera um cenário muito diferente nos contratos do mês seguinte. “O contrato de junho não vai ser melhor. Não há qualquer hipótese de libertar o stock”.

Gasolina quase ao mesmo preço do gasóleo, estradas vazias e o futuro do petróleo

O problema, diz Louise Dickson, analista da Rystad Energy, é reflexo das incongruências do mercado nestes tempos de pandemia. “Este momento é obviamente histórico e não poderia ilustrar melhor a utopia de preços em que o mercado se encontra desde março, quando todo o problema do excesso de oferta começou a tornar-se evidente, mas o mercado continuou a não estar atento”, defende a especialista.

A crise foi agravada depois de a Arábia Saudita, líder informal da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), ter decidido avançar para uma guerrilha de preços com a Rússia, que não pertence à organização. Os dois países acabaram por chegar a uma trégua no início deste mês, decidindo reduzir a produção em cerca de dez milhões de barris por dia. Só que chegou tarde e em pouca quantidade. A quebra de procura, de 30 milhões de barris por dia, a incapacidade de armazenamento e as consequências dos movimentos especulativos levaram a uma queda violenta dos preços.

Trump diz que OPEP vai duplicar corte anunciado na produção petrolífera

(Artigo atualizado às 09h51 de terça-feira, 21 de abril de 2020)