O Presidente dos EUA, Donald Trump, disse esta segunda-feira que os principais países exportadores de petróleo preveem uma queda na produção duas vezes maior do que a anunciada no domingo pela OPEP.

No domingo, a Organização dos Países Produtores de Petróleo (OPEP) e outros produtores chegaram a um acordo com o objetivo de travar a descida dos preços do petróleo cortando a produção em 9,7 milhões de barris diários, a partir de 1 de maio, como revelaram os ministros da energia de alguns dos países envolvidos nas negociações.

Esta segunda-feira, Trump anunciou que esse corte será bastante superior, invocando para si o mérito dessa diminuição na produção.

“Por ter estado envolvido nas negociações, para dizer o mínimo, o número que a OPEP vai cortar é 20 milhões de barris por dia, não os 10 milhões que foram reportados“, escreveu o Presidente dos EUA na sua conta pessoal da rede social Twitter.

“Se nos aproximarmos disso e os negócios globais aumentarem após o desastre da covid-19, o setor de energia voltará a brilhar, muito mais depressa do que o esperado”, acrescentou Trump.

Trump agradeceu ainda aos que trabalharam com ele “para colocar este acordo nos eixos, em particular a Rússia e a Arábia Saudita”.

No domingo, o Presidente norte-americano disse que tinha falado telefonicamente com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, e com o rei saudita, Salman bin Abudlaziz, para manifestar o apoio ao acordo dentro da OPEP.

Devido às consequências da propagação do vírus covid-19, com o impacto na economia e a diminuição do consumo, o Comité Técnico Conjunto da OPEP tem vindo a recomendar cortes na produção de petróleo.

O ministro da Energia do México também já se mostrou disposto a fazer cortes na produção e o ministro do Petróleo do Irão também escreveu no Twitter que o corte será efetuado nos meses de maio e junho.

O objetivo do acordo é encontrar uma solução para a rápida queda nos preços do petróleo devido ao colapso da procura e à guerra de preços entre a Arábia Saudita e a Rússia.

A pandemia da covid-19 desequilibrou um mercado em que a oferta global já estava excedente e agora encontra-se em proporções raramente vistas, com restrições de viagens tomadas em todos os países para impedir a propagação da doença.

Uma nova reunião da organização dos países produtores e alguns países cooperantes está agendada para 10 de junho, também por videoconferência, “para decidir medidas adicionais, tanto quanto for necessário para equilibrar o mercado”.

O acordo também prevê um nível de redução da produção entre janeiro de 2021 e abril de 2022.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já provocou mais de 114 mil mortos e infetou mais de 1,8 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Dos casos de infeção, quase 400 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.