Itália vai utilizar testes serológicos, que servem para detetar se uma pessoa desenvolveu anticorpos à Covid-19, a partir de 4 de maio, quando o país iniciar a reabertura após quase dois meses de confinamento.

O comissário extraordinário designado para a emergência, Domenico Arcuri, disse este sábado que estas provas se realizarão numa amostra de 150 mil pessoas em todo o território italiano.

Arcuri indicou também que está concluído o concurso para escolher a empresa que disponibilizará os testes de forma gratuita e precisou que se apresentaram mais de 70 empresas.

A escolhida, da qual não forneceu detalhes, “oferece atualmente a melhor solução no mercado”, garantiu.

O governo ultima um plano para iniciar o desconfinamento gradual a partir de 4 de maio e o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, já adiantou que será necessário que os cidadãos que saírem à rua levem máscaras para evitar contágios. Contudo, como afirmou também, como noticia a AFP: “Definiremos o preço máximo pelo qual as máscaras faciais podem ser vendidas”.

Recentemente, como avançou a Reuters, o governo italiano tem combatido o aumento exponencial praticado na venda de preços de máscaras. Há casos em que a venda de máscaras que antes custavam 1 cêntimos, estão agora à venda online por 10 euros. O preço máximo de venda ainda não está definido.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou cerca de 197 mil mortos e infetou mais de 2,8 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Mais de 766 mil doentes foram considerados curados.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (51.949) e mais casos de infeção confirmados (mais de 900 mil).

Segue-se Itália (25.969 mortos, em quase 193 mil casos), Espanha (22.902 mortos, mais de 223 mil casos), França (22.245 mortos, mais de 159 mil casos) e Reino Unido (19.506 mortos, mais de 143 mil casos).

*Artigo atualizado às 17h02 com informação de que haverá um preço máximo para máscaras.