A início da noite deste domingo (20h20 de Roma, 19h20 de Lisboa), o primeiro-ministro de Itália, Giuseppe Conte, fez o anúncio que pode ditar o futuro do país: a partir de 4 de maio, começa a “fase 2” para a reabertura, como lhe apelidou. Entre as novidades apresentadas, durante um discurso em que o líder italiano apelou constantemente à “distância” entre os cidadãos, Conte deixou novidades do decreto que irá definir as regras desta nova etapa: preço tabelado de 0,50 cêntimos por cada máscara, permissão para cerimónias fúnebres e a preparação de aberturas de algumas empresas já esta segunda-feira.

Como explicou Conte, o decreto divulgado este domingo confirma que, a partir de 4 de maio, começa oficialmente esta “fase 2”. A ideia é a mesma de outros países que estão a começar a tentar o mesmo (como Espanha, por exemplo): “Devemos evitar o risco de a infeção se espalhar novamente”.

À semelhança do que o congénere espanhol, Pedro Sanchéz, disse neste sábado, Conte avisou que estas medidas de reabertura a 4 de maio podem mudar a qualquer momento. “Se a curva se tornar crítica, criámos um mecanismo que nos permite intervir”, afirmou. “Vai manter-se a distância de segurança. Nos próximos meses esperamos um desafio muito complexo. Vamos conviver com o vírus“, disse Conte.

Contudo, ao contrário de Espanha, que começa a reabrir a 2 de maio, as medidas para a população em Itália vão continuar ainda bastante apertadas. Vão ser permitidas cerimónias fúnebres até um máximo de 15 pessoas, mas vai ser obrigatório uso de máscaras e vai ser necessário respeitar o distanciamento social até um metro.

Espanha. A partir de 2 de maio pode começar uma “nova normalidade”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Como referiu também Conte, as pessoas com sintomas vão ter de continuar em casa e as festas familiares e de amigos continuam proibidas. No entanto, vai começar a ser permitido o passeio em parques e jardins (com restrições), e será permitida a atividade física na rua. Apesar disto, não será possível ainda viajar entre regiões, “exceto por motivos urgentes de saúde ou trabalho”. Os restaurantes poderão também reabrir, mas exclusivamente para vender comida para fora.

A partir de 27 de abril, as empresas italianas vão poder começar as “atividades preparatórias” para arrancar o trabalho a 4 de maio. A lista completa dos setores que podem iniciar atividade já em maio, como revela o Corriere Della Sera, inclui a metalúrgica, a indústria alimentar ou a fabricação de produtos químicos. Contudo, é de ressalvar que, para abrir, as empresas estão ao obrigadas a seguir medidas de higienização mais exigentes.

Itália com o número de mortos mais baixo desde 13 de março

Estas medidas vão vigorar, inicialmente, até 17 de maio, altura em que começa uma nova abertura. É só a partir daqui, a 18 de maio, que “retalhistas, exposições e museus” serão reabertos, por exemplo. Depois, para bares e restaurantes abrirem, ainda é preciso ver a progressão, apesar de Conte anunciar que o decreto já prevê a data de 1 de junho para essas reaberturas. No início deste domingo foi revelado, contudo, que as escolas só vão abrir em setembro. Até lá, e para já, o que é certo é que o país vai começar a abrir depois de dois meses de isolamento imposto à população.

Nas últimas 24 horas, morreram em Itália 260 pessoas devido ao novo coronavírus. Este é o número de vítimas diárias mais baixo desde 13 de março. O país mais afetado na Europa pela pandemia tem, atualmente, 197.675 casos confirmados de Covid-19.