No dia em que o país entra — a medo — na segunda fase do confinamento, as informações do boletim da DGS são animadoras: nas últimas 24 horas recuperaram mais 1.794 pessoas, fixando agora o total de recuperados em 6.430, o que representa um aumento de 38,7% face ao dia anterior, que já tinha sido o dia com maior número de recuperados registado (eram 814 no boletim de domingo). Também o número de doentes internados nas enfermarias e nas unidades de cuidados intensivos volta a descer, com um ligeiro aumento na expressão de número de doentes internados, são esta segunda-feira menos 21 nas enfermarias e menos três nas unidades de cuidados intensivos dos hospitais.

Boletim DGS. Todas as mortes nas últimas 24h foram no norte ou Lisboa

Já o número de mortos nas últimas 24 horas é de 13, sendo que nove foram mulheres com mais de 70 anos e os restantes três eram homens a partir dos 60 anos. Este dado fez aumentar ligeiramente a taxa de letalidade para 4,21% (no domingo era de 4,18%). Na faixa etária dos 60 aos 69 anos, nos homens, surge no boletim desta segunda-feira mais um morto (passando das 72 para as 73 pessoas), mais um entre os 70 e os 79 anos e mais dois homens com mais de 80 anos morreram, em comparação com o boletim de domingo. No total, desde o início da pandemia perderam a vida 598 homens em Portugal, sendo que o mais novo tinha menos de 30 anos. No que diz respeito às mulheres, dos 9 óbitos registados, dois foram de mulheres entre os 70 e os 79 anos e os restantes sete em mulheres com mais de 80 anos, aumentando o número total de mulheres mortas para as 633. A faixa etária mais baixa em que se registou a morte de, pelo menos, uma mulher foi entre os 40 e os 49 anos.

Na última semana há menos 177 pessoas internadas nas enfermarias, menos sete em unidades de cuidados intensivos e, conforme já vimos, um aumento expressivo do número de pessoas recuperadas. São mais 3.881 pessoas recuperadas esta segunda-feira em comparação com o boletim de segunda-feira dia 11 de maio. Se compararmos o número de recuperados deste primeiro dia da segunda fase de desconfinamento com o primeiro dia do início de desconfinamento, 3 de maio, a diferença é ainda mais expressiva: são mais 4.741 recuperadas (eram 1.689 a 3 de maio). Quanto ao número de internados, são esta segunda-feira menos 228 nas enfermarias e menos 39 nas unidades de cuidados intensivos.

O número de mortos entre o primeiro dia do desconfinamento e esta segunda-feira, início da segunda fase, aumentou de 1.043 para 1.231, ou seja, 188 pessoas infetadas com a Covid-19 perderam a vida nos primeiros 15 dias do plano de desconfinamento.

[Acompanhe aqui tudo o que tem mesmo de saber no mapa interativo sobre o coronavírus em Portugal]

O que tem mesmo de saber sobre o coronavírus em Portugal

Caracterização dos novos casos por grupo etário

Dos 173 novos casos das últimas 24 horas, 135 são de pessoas entre os 20 e os 59 anos, sendo que entre todas as faixas etárias a que tem um maior aumento (de 39 casos) é a dos 30 aos 39 anos (24 homens e 15 mulheres), logo seguida das pessoas entre os 20 e os 29 anos (com 18 homens e 18 mulheres). Dos 40 aos 49 anos há mais 31 casos (18 homens e 13 mulheres) e dos 50 aos 59 anos há mais 29 casos (nove homens e 20 mulheres).

Os restantes 38 novos casos registam-se nas crianças até aos 9 anos (seis rapazes e quatro raparigas), dos 10 aos 19 anos (três rapazes e três raparigas), dos 60 aos 69 anos há mais 16 casos (nove homens e sete mulheres), entre os 70 e os 79 anos há mais duas mulheres infetadas e com mais de 80 anos há mais quatro infetados, sendo dois homens e duas mulheres.

Caracterização dos novos casos por região

No que diz respeito aos novos casos (que aumentaram 0,6%, um aumento inferior ao de 0,8% de domingo), a região de Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a que regista o maior aumento de casos, confirmando o expressivo aumento que se regista há mais de uma semana: são mais 126 casos (dos 173 totais desta segunda-feira) em Lisboa e Vale do Tejo, com o Norte a ter mais 44 casos, o Centro mais dois e o Alentejo apenas mais um caso nas últimas 24 horas.

Número de países e casos importados

21.º dia nos últimos 19 sem registo de novos casos importados. Depois de 11 dias consecutivos sem qualquer alteração no número de casos importados, o número de casos importados voltou a mexer a 8 de maio, com mais 19 casos, mas não mais registou variações a partir desse momento. Assim, mantêm-se os 770 casos importados de 50 países. Espanha (177), França (137), Reino Unido (88), Emirados Árabes Unidos (48) e Suíça (45) continuam a ser os cinco países com maior registo de casos importados.

Número de casos suspeitos, não confirmados, em vigilância e a aguardar resultados

Casos suspeitos e não confirmados com subidas abaixo de 1%. O boletim desta segunda-feira apresenta valores abaixo de 1% para os casos suspeitos e não confirmados e uma descida no número de casos em vigilância de 1,1%. Assim, para os casos suspeitos registou-se um aumento de 0,5% face aos números expressos no boletim de domingo e, nos casos não confirmados, a variação foi semelhante com 0,7% dos casos (1.711 pessoas) a não testarem positivo para Covid-19. No que diz respeito às pessoas  em vigilância pelas autoridades de saúde, são agora 25.360 menos 280 que no domingo (quando eram 25.640).

Número de casos por concelho

Loures, Lisboa e Sintra com os maiores aumentos entre concelhos (mais uma vez). À semelhança do que tem acontecido nos boletins dos últimos dias, a Área Metropolitana de Lisboa é uma das que regista um maior aumento do número de casos. Lisboa deixa de ser o concelho com o maior aumento, com Loures a assumir essa posição com mais 30 casos do que na véspera (totalizando agora 642 casos), com Lisboa a ter um aumento de 24 casos (aumentando agora o total para 1.962 casos confirmados) e Sintra com mais 19 casos (899 no total). Também o concelho da Amadora surge logo atrás, com 17 novos casos nas últimas 24 horas, aumentado o total de casos para 552, confirmando a maior prevalência de novos casos na Área Metropolitana de Lisboa.