Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Confrontada com uma crise antiga que se agravou nas últimas semanas devido à pandemia, a histórica Livraria Barata, um dos estabelecimentos mais emblemáticos de Lisboa, com um percurso marcado por perseguições políticas ao fundador durante o Estado Novo, prepara-se para lançar em junho uma campanha de angariação de donativos através da Internet, disse ao Observador a sócia-gerente, Elsa Barata. Já esta sexta-feira, os responsáveis pela livraria contam reunir-se através de videoconferência com o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, e a vereação da Cultura.

Antes do coronavírus já se verificava uma quebra de vendas, além de problemas financeiros com mais de uma década, mas foi durante os últimos dois meses que as coisas se agravaram. “Tivemos menos 90% de faturação, ficámos sem dinheiro para pagar renda, água, eletricidade, funcionários e fornecedores”, contou esta terça-feira Elsa Barata, filha do fundador. “Tem sido dramático, precisamos de um balão de oxigénio”, sublinhou. Isto porque a Barata está mesmo em risco de encerrar definitivamente. A informação circula nas redes sociais há vários dias e tem sido partilhada através de mensagens de telemóvel.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.