A lista dos países com “corredores” cujas chegadas ao Reino Unido vão ser isentas de quarentena só vai ser anunciada no final da semana, indicou esta segunda-feira o ministro dos Transportes, Grant Shapps. O ministro confirmou que o levantamento da obrigação de quarentena durante duas semanas a todas as pessoas chegadas do estrangeiro para conter a pandemia de covid-19 no Reino Unido foi autorizado pelas autoridades sanitárias.

“O Centro de Biosegurança Conjunto, em consulta estreita com a Public Health England e o diretor geral de Saúde, desenvolveu uma categorização de países e territórios a partir dos quais é considerado um risco menor, do ponto de vista da saúde pública, para os passageiros que entram no Reino Unido, sem uma exigência de auto-isolamento de 14 dias”, adiantou, num comunicado.

A lista dos países tem como fatores não só a prevalência de coronavírus nos respetivos países, mas sobretudo o número de novos casos e a trajetória potencial nas próximas semanas da doença no país. “Essa categorização informará as decisões ministeriais sobre a flexibilização das atuais medidas na fronteira”, explicou, adiando o anúncio para outro dia desta semana, sem especificar qual.

“Anunciarei mais detalhes, incluindo uma lista completa dos países e territórios dos quais os passageiros que chegarem serão isentos dos requisitos de auto-isolamento no final desta semana”, refere. Desde 8 de junho que todas as pessoas que chegam do estrangeiro ao Reino Unido, incluindo britânicos, são obrigadas a permanecer em isolamento durante 14 dias para conter a pandemia covid-19 no país.

Caso não respeitem a quarentena, incorrem numa multa de cerca de 1.000 euros. O ministro dos Transportes britânico, Grant Shapps, afirmou na semana passada que a lista de países com os primeiros ‘corredores’ seria revelada hoje, mas o jornal Daily Telegraph adiantou que poderá acontecer só na quarta-feira.

A BBC noticiou no sábado que o Reino Unido vai abrir em 6 de julho corredores de viagem, que permitem aos turistas britânicos evitar a quarentena no regresso ao país, com um conjunto de países europeus. A emissora precisa que a lista de países deve incluir Espanha, França, Grécia, Itália, Alemanha, Holanda, Bélgica, Finlândia, Noruega e Turquia, mas não Portugal ou a Suécia. Os países serão agrupados e classificados com as cores dos semáforos para sinalizar os destinos mais e menos seguros.

O Reino Unido registou até hoje 43,575 mortes (em 311.151 casos de infeção) durante a pandemia covid-19, o maior número na Europa e o terceiro maior no mundo, atrás dos EUA e Brasil.