O Governo já reviu as estimativas para PIB e défice em baixo e espera agora que a economia afunde mais este ano do que o inicialmente previsto, devido à pandemia da Covid-19. Quem é o garante é o comentador Luís Marques Mendes, que disse este domingo no seu espaço de análise semanal na SIC que as perspetivas para a evolução do défice e sobretudo do PIB são agora menos otimistas.

De acordo com Marques Mendes, o Governo conta agora com uma queda do PIB de 9% neste ano de 2020 — uma previsão mais próxima daquela que a Comissão Europeia fez no início de este mês, que era ainda mais pessimista (-9,8%) e que significava uma retração muito superior à de -6,9% prevista anteriormente pelo Governo. E mais próxima também da queda do PIB prevista no mês passado pelo Banco de Portugal, que estima que o PIB possa mesmo cair 9,5% este ano.

O Governo, no cenário macroeconómico apresentado no Orçamento Suplementar que levou à AR, previa uma queda do PIB de 6,9% em 2020. No mesmo documento, a previsão para o crescimento do PIB no ano seguinte, 2021, era de 4,3%. Essa previsão também se alterou, segundo Marques Mendes. O comentador diz que o Governo conta agora com um crescimento superior em 2021, de 5% do PIB — uma aceleração que pode justificar-se também pela dimensão maior da retração em 2020, dado que o ponto de partida (o Produto Interno Bruto) de que o Governo parte para 2021 será mais retraído, portanto com maior potencial de melhoria.

Em 2022, o crescimento previsto pelo Governo para o PIB é agora de 4%, apontou ainda o antigo líder do PSD, que indicou também que o Governo espera nesta fase um défice de 7,1% em 2020 — na senda do que disse no início do mês o ministro das Finanças, João Leão, que anunciou uma revisão em alta das previsões deste índice para 2020 dos 6,3% previstos no Orçamento Suplementar para “um valor próximo dos 7%”.

Outra revisão de relevo é o défice previsto para o próximo ano de 2021: segundo Marques Mendes, o Governo conta agora que seja de 3,9%, quando a previsão, anunciada em junho pelo próprio ministro das Finanças em conferência de imprensa, era de que ficasse abaixo dos 3%. Em 2022, o Governo prevê já que o défice venha a ficar nos 2,2%.

Como lembrou no entanto o comentador político e conselheiro de Estado na SIC, dois anos consecutivos (2020 e 2021) com défice acima de 3% não violaria as regras europeias, dado que a Comissão Europeia definiu que só exigirá aos países um défice abaixo de 3% quando o PIB estiver ao nível do que estava em 2019, ano anterior à pandemia e paralisação económica.

No seu espaço de comentário da SIC, Luís Marques Mendes criticou ainda duramente o fim dos debates quinzenais, atribuindo a responsabilidade daquilo que considera ser “um abuso e um absurdo” ao PS e PSD, mas não isentando de responsabilidades os partidos à esquerda do PS, que considera que deveriam ter sido mais firmes na oposição.

Outro ponto que Marques Mentes notou foi a subida do Chega de André Ventura nas sondagens: para o comentador, o partido está a aproveitar o descontentamento existente em eleitores tradicionalmente do centro-direita, do PSD e do CDS, e pode vir a tornar-se no futuro um problema à construção de uma maioria de governo liderada por um PSD que não tenha maioria absoluta e que precisa dos restantes partidos de direita para governar.