Um incêndio que teve início sexta-feira com pequenas proporções, em Vinhais, Bragança, junto à fronteira com Espanha, tinha este sábado duas frentes e obrigou ao reforço de meios, informou fonte da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC). Segundo as informações dadas à Lusa pela mesma fonte, o incêndio lavra “numa zona de montanhas, de difícil acesso, com duas frentes ativas”.

O comandante distrital de Bragança, Noel Afonso, explicou à Lusa, que o incêndio deflagrou na sexta-feira à noite “na linha de fronteira com Espanha”, para onde se dirigiu. “O fogo foi extinto, mas, entretanto, um reacendimento que veio do lado espanhol fez regressar o incêndio” a solo nacional, disse ainda Noel Afonso.

Segundo o comandante, as condições climatéricas “também não são favoráveis”, uma vez que se verifica “muito vento e pouca humidade, o que facilitou a propagação do incêndio”.

“Estamos a reposicionar meios e esperamos que a noite ajude.”

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Bragança acrescentou à Lusa, que o alerta para o incêndio foi dado pelas 22:27 de sexta-feira, na localidade de Pinheiro Velho, freguesia de Quirás e Pinheiro Novo, no concelho de Vinhais, no distrito de Bragança.

O CDOS de Bragança informou ainda que o incêndio deflagrou em território nacional, tendo passado para Espanha, estando ainda a lavrar em Portugal. Às 20:25 da sábado, a página da ANPC indicava que estavam no local 151 elementos, apoiados por 44 veículos e cinco meios aéreos.