Um estudo publicado no passado dia 3 de dezembro na revista científica The New England Journal of Medicine sugere que a vacina da Moderna, que recentemente demonstrou ter uma eficácia de mais de 90% contra a Covid-19, produz uma imunidade duradoura.

A investigação realizada por um grupo de especialistas de várias instituições norte-americanas olhou para os dados de 34 indivíduos de várias idades que receberam a vacina da Moderna. Três meses depois, continuavam a apresentar níveis elevados de anticorpos. Uma boa notícia, como considerou Alicia T. Widge, coordenadora do estudo, citada pelo El País.

Vacina da Moderna confirma eficácia de 94%. O que acontece agora?

“Três meses depois da segunda dose da vacina [que é dada 28 dias depois da primeira] todos os doentes tinham níveis altos de anticorpos contra o SARS-CoV-2. Isto sugere que a vacina produz uma imunidade duradoura”, defendeu.

Mas não só. Segundo o El País, após este período, todos os vacinados, incluindo aqueles com mais de 71 anos, tinham níveis de anticorpos mais altos do que pessoas que tinham sido infetados com o novo coronavírus há 34 dias.

Carmen Cámara, da Sociedade Espanhola de Imunologia, comentou que estes novos dados são “muito bons”. “Levam-nos a pensar os anticorpos podem permanecer no corpo durante mais tempo”, disse ao El País.