Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ainda os ecos do conselho nacional do CDS, que decorreu no sábado em clima de guerra civil. Depois das críticas que fez à direção do partido, Cecília Meireles, deputada e antiga vice de Assunção Cristas, foi desafiada a deixar o cargo no Parlamento.

O repto foi deixado por Raul Almeida, vice presidente de Francisco Rodrigues dos Santos. Agastado com as críticas de Cecília Meireles, o ex-deputado sugeriu que a democrata-cristã devia ceder o lugar ao atual líder do partido, que foi número dois pelo círculo eleitoral do Porto. A saída de Cecília Meireles do Parlamento teria como consequência direta a entrada de Rodrigues dos Santos no Parlamento.

Raul Almeida é vice-presidente do CDS e é aliado de Filipe Lobo d’Ávila, também ele vice do partido e instrumental para garantir a Rodrigues dos Santos a maioria no último congresso do CDS. Os dois fazem parte do grupo ‘Juntos pelo Futuro’ e conseguiram cerca de 15% dos votos nas últimas eleições.

Na sua intervenção, como contava aqui o Observador, Cecília Meireles exigiu “respeito” à direção do partido, disse que havia “limites para tudo” e acusou Franscisco Rodrigues dos Santos de nada fazer para travar André Ventura. “O problema está a agravar-se. [André Ventura] faz gala de nos enxovalhar a todos através do presidente do nosso partido e eu quero lutar contra isto. Mas precisamos de ter uma estratégia.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Deputados do CDS exigem que a direção os respeite. Mesquita Nunes critica ausência de plano para conter Chega

Ora, Raul Almeida não gostou das críticas e desafiou Cecília Meireles a deixar o cargo para dar lugar a Rodrigues dos Santos. Na resposta, Telmo Correia, líder parlamentar do CDS, deixou uma ameaça: “É bom que o senhor conselheiro ou quem quer que seja com responsabilidade na direção do partido não entre por aí. É uma linha vermelha”. Quanto a Cecília Meireles, registou as palavras de Raul Almeida e deixou uma promessa: não voltará a ficar “caladinha”.

No final de um conselho nacional que durou quase 20 horas, Francisco Rodrigues dos Santos fez um apelo à unidade do partido e garantiu que tem total confiança no grupo de deputados do CDS. Mas o partido está mais dividido do que nunca.