A TAP recebeu em 2020 a totalidade dos 1,2 mil milhões de euros em empréstimos do Estado no âmbito do plano de reestruturação da companhia aérea, noticiou o Eco esta terça-feira e confirmou a Rádio Observador junto do Ministério das Finanças.

Em junho, a Comissão Europeia aprovou a ajuda do Estado à companhia aérea de 1,2 mil milhões de euros, ao abrigo das regras de auxílio de Estado. Desde o final de julho, esse dinheiro tem sido pago à TAP em várias tranches, tendo o pagamento ficado concluído em 2020. Uma das condições de Bruxelas era que lhe fosse enviado, no prazo de seis meses, até 10 de dezembro, um plano de reestruturação. Caso não o fizesse, a TAP teria de devolver o dinheiro.

Esse prazo foi cumprido e, na conferência de imprensa de apresentação do plano, o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, revelou que a companhia aérea pode vir a precisar de entre 3,414 mil milhões de euros e 3,725 mil milhões de euros em ajudas públicas até 2024. Estes montantes incluem não só uma almofada financeira, mas também o empréstimo de 1,2 mil milhões de euros concedido em 2020. O montante que ainda não foi pago só pode ser enviado à TAP depois da aprovação do plano de reestruturação em Bruxelas.

TAP pode precisar de 3,7 mil milhões de euros até 2024 no pior cenário. Cortes poupam a Portugália

Pedro Nuno Santos explicou que o próximo passo é a discussão do plano com a Comissão Europeia. “Esperamos ao longo do primeiro trimestre ter o processo concluído”, afirmou. Para esse horizonte a TAP tem as necessidades de liquidez asseguradas, garantiu.