A Comissão Nacional de Acesso ao Ensino Superior (CNAES) considera que neste ano letivo só se devem realizar os exames do ensino secundário relativos às disciplinas necessárias para aceder ao ensino superior, noticia o Público esta terça-feira.

Entendemos que se devem realizar apenas os exames nacionais das disciplinas que são para acesso ao ensino superior, mas incluindo a possibilidade de melhoria de nota“, disse àquele jornal o presidente da CNAES, António Fontainhas Fernandes, reitor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

Ao mesmo tempo, a “avaliação e aprovação do ensino secundário deve ser apenas com avaliação interna, como já foi seguido no ano passado”.

Ensino à distância. Alunos sem computador, professores sem formação tecnológica e pais preocupados com as refeições

Fontaínhas Fernandes fez as declarações ao Público na segunda-feira, depois de uma reunião da CNAES destinada a emitir um parecer sobre a realização dos exames nacionais num ano letivo que, à semelhança do que aconteceu em 2020, está a ser profundamente afetado pela pandemia da Covid-19.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Atualmente, e depois de uma paragem de 15 dias decretada no final de janeiro, as escolas portuguesas encontram-se a funcionar em regime de ensino à distância, que tem causado múltiplas dificuldades a alunos e professores.

No que diz respeito às regras dos próprios exames, vão manter-se as alterações introduzidas no ano passado com o objetivo de mitigar as desigualdades provocadas pelo ensino à distância. No final de 2020, o Instituto de Avaliação Educativa (IAVE) já havia anunciado que os exames voltariam a contar com um conjunto de perguntas obrigatórias e outras facultativas.

São contabilizadas apenas as respostas às perguntas obrigatórias e aquelas em que o aluno tenha melhor pontuação, à semelhança das normas excecionais aplicadas no ano passado.

Covid-19. Normas excecionais para classificação dos exames nacionais mantêm-se este ano

Nos exames nacionais do 11.º e 12.º ano e nos exames de final de ciclo do 9.º (que serão retomados este ano) cada prova terá um conjunto limitado de itens de resposta obrigatória que, segundo o IAVE, irão incidir em competências consolidadas ao longo do percurso escolar ou em informação facultada na própria pergunta.

Todos restantes itens podem ser respondidos, mas só serão contabilizadas para a classificação final as respostas aqueles em que os alunos tiverem melhor pontuação, “num número a estabelecer de acordo com a especificidade de cada prova e a divulgar oportunamente”.