A época da gripe sazonal foi residual, não só em Portugal como na generalidade dos países do mundo que, normalmente, enfrentam picos de internamentos e mortes relacionadas com os vírus influenza. São boas notícias, mas os especialistas no Reino Unido receiam que se possam vir a tornar em más no próximo inverno pela perda de imunidade contra os vírus respiratórios mais comuns, noticia o jornal The Guardian.

O que é feito da gripe? Medidas contra a Covid-19 ajudaram e o vírus é menos agressivo, mas pode ser um problema para as vacinas

Carlos Robalo Cordeiro, diretor do serviço de Pneumologia do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra, confirma que este ano se assistiu a poucos casos de gripe sazonal e das pneumonias que, geralmente, aparecem associadas a estes vírus — por outro lado, foram frequentes as pneumonias nos doentes internados com Covid-19.

É normal que se verifique uma “redução da imunidade contra vírus sazonais [no próximo inverno] porque houve um menor contacto com esses vírus nesta época”, diz o pneumologista ao Observador. As medidas implementadas para a prevenção da transmissão do coronavírus SARS-CoV-2 tiveram impacto no contágio de outros vírus — o que, note-se, são boas notícias.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Por outro lado, o médico também elogia o facto de termos tido tão boa adesão à campanha de vacinação contra a gripe. Entre os idosos com mais de 70 anos, mais de 70% foram vacinados, diz o pneumologista. “E houve uma percentagem importante de profissionais de saúde que se vacinaram. O que é importante”, reforça. Para o próximo ano, deixa um conselho: “É bom que não faltem vacinas”.

Especialistas defendem vacinação da gripe para reduzir risco de outras doenças

Os rinovírus e outros vírus que provocam as normais constipações e os vírus que provocam a gripe transmitem-se por via aérea ou por contacto com superfícies contaminadas (quando levamos as mãos à boca ou aos olhos, por exemplo). Usar máscara, manter o distanciamento físico, tossir ou espirrar para o cotovelo e desinfetar as mãos e superfícies são medidas que preveniram a transmissão dos vários vírus e que podem continuar a ser implementadas no futuro. Sobretudo no pico da época gripal, diz o pneumologista.

“É verdade que todos estes cuidados tornaram residual a transmissão de outros vírus respiratórios. O que faz pensar que, no pico das próximas épocas gripais, as pessoas infetadas e os mais vulneráveis possam usar máscara”, exemplifica Carlos Robalo Cordeiro.

Além da perda de imunidade contra os vírus mais comuns, Carlos Robalo Cordeiro está preocupado com a dificuldade que haverá na preparação da vacina da gripe para o próximo inverno. A vacina é composta, normalmente, pelas quatro estirpes mais comuns do inverno que terminou, mas com tão pouco atividade dos vírus influenza em 2020, torna-se mais difícil perceber quais foram os mais frequentes.

“A boa notícia é que está em desenvolvimento uma vacina que tem uma cobertura alargada, com uma maior eficácia”, diz o médico. E, se tudo correr bem, poderá estar em uso já este ano, na próxima época gripal. Basicamente, é uma vacina da gripe semelhante à que já existe, mas com uma dose maior, importante para as pessoas mais velhas, cujo sistema imunitário tem mais dificuldade em dar uma resposta eficaz no combate aos vírus.

Pasi Penttinen, especialista de imunização europeu. “Podemos ter pouca ou nenhuma gripe este ano. Mas também posso estar enganado”

O próximo inverno começa a preparar-se quando o inverno anterior ainda não terminou. Primeiro, identificando as estirpes mais relevantes do vírus da gripe. Segundo, fabricando vacinas suficientes para o mundo inteiro — e, para isso, os países devem encomendar as doses necessárias atempadamente. Depois, garantindo que “os doentes crónicos tenham a doença estabilizada, com a devida medicação”, diz o médico.

O resto são medidas que cada pessoa pode tomar por si: fazer uma alimentação saudável e equilibrada, com alimentos frescos; manter a atividade física — que não quer dizer necessariamente esforço físico intenso, mas é importante que não fique inativo, aconselha o médico; reduzir o consumo de álcool e não fumar. “É um conselho para toda a população: manter um estilo de vida saudável“, diz Carlos Robalo Cordeiro.

Se a gripe e a Covid-19 se encontrarem “pode ser dramático”. O que fazer então? Testar rápido e isolar