Uma nova nota de 50 libras com a imagem de Alan Turing, considerado o pai da inteligência artificial, vai circular pela primeira vez em 23 de junho, coincidindo com o aniversário do matemático britânico, confirmou esta quinta-feira o Banco de Inglaterra. O anúncio surge ao mesmo tempo que a instituição bancária deste país apresentou o desenho da nova nota feita de polímero, que contém elementos de segurança avançados. A nova nota juntar-se-á a outras também feitas com o mesmo material, mais durável, como as de cinco libras (5,7 euros) com a imagem do antigo primeiro-ministro britânico Winston Churchill, as de 10 libras (11,5 euros) com a famosa escritora Jane Austen e as de 20 libras (23,1 euros) com o pintor JMW Turner. O anúncio de que o génio da matemática iria figurar na nota foi feito em 2019, mas só agora se concretiza.

O génio Alan Turing, que foi condenado por ser gay, é agora o rosto da nota de 50 libras

Turing foi fundamental para quebrar o código Enigma durante a Segunda Guerra Mundial e o seu legado tem um enorme impacto na forma como vivemos hoje.

A nova nota, tal como a nota de 20 libras, incorpora duas janelas e duas cores, o que torna muito difícil a contrafação, segundo o banco central britânico. Também contém um holograma que muda entre as palavras “Cinquenta” e “Libras” quando a nota é balançada de um lado para o outro. Terá também uma qualidade tátil concebida para ajudar as pessoas com deficiência visual a identificar a sua denominação.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O banco informou que os cidadãos deste país poderão continuar a utilizar as notas antigas normalmente e serão avisados com um pré-aviso mínimo de seis meses antes de as mesmas serem retiradas de circulação.

“Há algo do caráter de uma nação na sua moeda e estamos certos em celebrar as pessoas com as nossas notas”, disse o governador do banco, Andrew Bailey, ao apresentar o novo desenho de “um dos mais importantes cientistas do Reino Unido”. “Turing é mais conhecido pelo seu trabalho de descodificação em Bletchley Park, que ajudou a pôr fim à Segunda Guerra Mundial”, disse Bailey, enquanto elogiava as suas outras competências como matemático e pioneiro na ciência da computação. Recordou também que o cientista “era também homossexual e como resultado foi tratado de uma forma assustadora”. “Ao colocar a sua imagem na nossa nova nota de 50 libras, celebramos as suas realizações e os valores que simboliza”, adiantou.