Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

São 32 os inquéritos de tráfico humano, auxílio à imigração ilegal e mão de obra ilegal que Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) está atualmente a investigar só no Alentejo, segundo informou fonte deste órgão de polícia criminal ao Observador. Do total, seis são no concelho de Odemira, onde duas freguesias estão em cerca sanitária por causa da elevada incidência de casos de infeção pelo coronavírus. As vítimas são maioritariamente de países do Leste Europeu ou asiáticos e vêm para Portugal atraídos pela promessa de um alojamento, alimentação, transporte e salário, bem como de um contrato, subsídio de alimentação, folgas, férias e a horários de trabalho — o que, na prática, não se verifica.

Só no passado mês de março, foram abertas 15 novas investigações contra 17 entidades patronais e seus titulares. Em causa estão suspeitas de crimes de auxílio à imigração ilegal e falsificação de documentos, relacionados com relações laborais fraudulentas que visam a regularização documental.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.