Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“New Big 5” é o nome do projeto que pretende utilizar a fotografia como “arma” para alertar, consciencializar e sensibilizar para as condições de vida dos animais selvagens, que estão em perigo e em risco de extinção devido à ação humana.

Os tradicionais “Big 5” (“os cinco grandes”, em português) — leão, rinoceronte, búfalo, elefante e leopardo — eram assim conhecidos por antigamente serem considerados, pelos caçadores africanos, os cinco animais mais difíceis de caçar a pé, mas isso está prestes a mudar.

O fotógrafo britânico Graeme Green alterou o significado do termo e criou o “Big 5” da fotografia da vida selvagem, não da caça. O “New Big 5 usa a fotografia para consciencializar as pessoas sobre as ameaças à vida destes animais e promover a conservação da vida selvagem.

A fotografia é uma forma muito melhor de celebrar os animais”, declarou o fotógrafo à CNN.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A primeira etapa deste projeto, que começou em abril de 2020, explica a CNN, foi criar uma plataforma online que permitisse às pessoas votarem nos cinco animais que mais queriam que fossem fotografados.

Cinquenta mil pessoas votaram e decidiram que, em relação aos originais “Big 5”, se mantivessem o elefante e o leão. Porém, o gorila, o tigre e o urso polar conseguiram mais votos que o leopardo, o rinoceronte e o búfalo africano, “substituindo-os” nestes “New Big 5”.

“Espero que os cinco animais que as pessoas escolheram para os ‘New Big 5’ possam consciencializar as pessoas e mostrar-lhes o que está acontecer com a vida selvagem no mundo”, disse o fotógrafo acrescentando que estes animais “são a ponta do iceberg, relativamente à crise mundial que a vida selvagem enfrenta, mas são também animais icónicos que podem ser embaixadores globais e representar todas as outras espécies que enfrentam a ameaça de extinção”.

De acordo com dados da ONU, cerca de um milhão de espécies em todo o mundo estão em risco por efeitos causados pela ação humana, como a redução do habitat, a exploração de recursos naturais, as mudanças climáticas e a poluição.

Por isso, Green acredita que a fotografia pode ser um instrumento para educar as pessoas para estes aspetos, expondo as condições de vida dos animais, os seus habitats e a crueldade praticada contra eles, com o objetivo de alertar e sensibilizar para o apoio de projetos neste âmbito e pressionar legisladores e criadores de políticas nesta área.

Este projeto é apoiado por mais de 100 fotógrafos e por organizações dedicadas à proteção e preservação da vida selvagem como a “WWF”, “Greenpeace”, “Conservation International” e “Born Free Foundation”.

O fotógrafo responsável manifestou vontade de criar um livro com fotografias de todos os fotógrafos envolvidos no projeto, destacando que o lucro das vendas será doado a instituições da área.