Investigadores portugueses identificaram três fármacos que podem enfraquecer o coronavírus SARS-CoV-2, noticia o Diário de Notícias. Se os ensaios clínicos mostrarem que funcionam serão um tratamento barato contra a Covid-19.

“De forma muito simples, pode dizer-se que em vez de as pessoas desenvolverem doença grave e terem de ir parar ao hospital, poderão ficar em casa com uma constipação a assoar-se”, descreve Cecília Arraiano, coordenadora da investigação e investigadora no Instituto de Tecnologia Química e Biológica da Universidade Nova de Lisboa, em Oeiras.

A ideia surgiu logo no primeiro confinamento, ainda em 2020, quando pouco se sabia sobre o vírus e os dias eram passados a tentar recolher tanta informação quanto possível. A equipa pegou no trabalho que já faziam com ribonucleases (proteínas capazes de partir a molécula de ARN dos vírus) e, uma vez identificadas as proteínas no SARS-CoV-2, conseguir fragilizá-las para impedir que o vírus se multiplicasse.

Genes de pessoas resistentes ao coronavírus podem dar pistas para futuros tratamentos

Neste momento, o trabalho de laboratório está concluído e o pedido de registo de patente foi feito. A próxima etapa terá de ser desenvolvida pela indústria farmacêutica: são ensaios clínicos com humanos que o laboratório de Oeiras não tem condições para levar a cabo.

A vantagem é que dois destes fármacos já foram aprovados pela agência norte-americana do medicamento (FDA, Food and Drug Administration) para outras doenças — e o terceiro está em vias disso — logo a primeira fase dos ensaios clínicos, que avalia a segurança para as pessoas, está completa. Além disso, são de venda livre.

Centro de investigação português descobre mecanismo que pode explicar maior ou menor gravidade da infeção

Cecília Arraiano conta ao jornal como os investigadores trabalharam de forma incansável, por turnos, de noite e de dia, ao fim de semana e sem férias, e sem financiamento adicional para conduzirem esta investigação.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR