568kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Moedas no metro para marcar Medina e manter a campanha em movimento. "Temos uma dinâmica de vitória clara"

Este artigo tem mais de 1 ano

Ameixoeira-Campo Grande, doze minutos de viagem, entre o picar o bilhete e o regresso à plataforma, serviram a Moedas para cumprir o objetivo: criticar a linha circular de Medina e falar aos indecisos

i

JOSÉ FERNANDES/OBSERVADOR

JOSÉ FERNANDES/OBSERVADOR

“Estamos à espera de quem? Temos de arrancar para não perdermos o elã da campanha. O elã nestas coisas é muito importante…”. Carlos Moedas está impaciente. Os jornalistas, tantas vezes vítimas dos atrasos olímpicos dos candidatos, desta vez são os responsáveis pelos 20 minutos de atraso com que a comitiva que acompanha o social-democrata se atira finalmente para o interior da boca do metro, na estação da Ameixoeira, em Lisboa.

Tudo pronto, esta viagem tem como destino da estação de Campo Grande. Carlos Moedas pica o bilhete às 8h26, aguarda uns quantos minutos pela chegada do metro, entra e fica de pé. No interior da carruagem, os passageiros-zombie levantam os olhos dos ecrãs dos telemóveis por breves segundos e regressam rapidamente ao torpor matinal de mais um dia casa-trabalho-casa. Se há coisa que esta campanha autárquica tem demonstrado é que a corrida em Lisboa não desperta, para já, grandes euforias.

Moedas hesita em entabular conversa. O assunto que traz é complexo e não move exatamente multidões. Mas é uma das grandes bandeiras do social-democrata. Com a polémica linha circular prometida e contratualizada por Fernando Medina, os utentes da linha amarela (Odivelas-Rato) terão de passar a fazer transbordo no Campo Grande para chegar ao centro da cidade. É preciso alertar que, por causa dos desvarios do socialista, estes lisboetas que vão perder “mais 20 ou 30 minutos” em mudanças de linha dispensáveis.

JOSÉ FERNANDES/OBSERVADOR

Desculpe incomodá-la…”, intromete-se Moedas, algures entre o Lumiar e a Quinta das Conchas. O social-democrata explica o que está em causa e o que pode vir a acontecer se Medina vencer eleições e levar o plano adiante. A passageira sobressalta-se. “Mas hoje ainda posso!?”, interroga, completamente a leste do que aí vem. “Sim, ainda não aconteceu. Estou a falar do que pode acontecer futuro”, tranquiliza Moedas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mais tarde, aos jornalistas, explicaria a alternativa que tem para resolver um problema criado pelo atual executivo. “Nunca teria feito uma linha circular, mas não estamos aqui para destruir o passado”, diz. No entanto, é preciso corrigir o plano de Medina antes que seja demasiado tarde.

Antes, ainda no interior da carruagem, alguém pergunta à infeliz contemplada com toda aquela súbita atenção mediática se conhecia o candidato Carlos Moedas. “Não…”. E conhece outros candidatos? “Também não…”. Momento embaraçoso para todos, a começar e acabar pela própria. “Está a ver? Só precisa de conhecer um”, salva-a Carlos Moedas.

Às 8h38, já o candidato estava com pé e meio na plataforma. Tempo para reagrupar e falar aos jornalistas.  “Esta linha circular vai trazer uma grande mudança à vida destas pessoas e as pessoas não estão de todo conscientes dessa mudança”, lamenta o social-democrata.

Com uma “simples solução de engenharia”, uma linha em laço e não circular, que evitará futuros transbordos, Moedas compromete-se a resolver o erro de Medina e a evitar o transtorno que o projeto vai causar. Um risco e um erro que Medina recusa assumir, quando insiste, queixa-se Moedas, que as mudanças introduzidas não vão implicar mais tempo no Metro.

Cancelas do Metropolitano de Lisboa

JOSÉ FERNANDES/OBSERVADOR

Fernando Medina mentiu ou então já mudou de ideias”, atira, antes de alertar, mais uma vez, para o “impacto terrível”  que a obra de Medina vai ter na  “vida das pessoas”.

Feito o ataque, Moedas passa à defesa. Confrontado com os relatos que vão surgindo a partir do bas-fond do PSD, e que dão conta de um certo desencanto e desmobilização na campanha a Lisboa, o social-democrata recusa deitar a toalha ao chão.

“Estamos cada vez mais próximos. Temos uma dinâmica de vitória clara. Estamos tão perto, tão perto, que vamos conseguir”, insiste o candidato. Convencido está. Agora é preciso convencer os eleitores, sobretudo os “indecisos”. “É para eles que estamos a falar”, rematou Carlos Moedas.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.