A alteração do PDM para inverter a tendência de perda de população nas freguesias rurais de Santarém foi a prioridade expressa esta sexta-feira pelo candidato socialista à presidência da Câmara, na feira de Pernes, freguesia cujos limites prometeu alterar.

“Uma prioridade que nós sentimos que é comum a praticamente todas as freguesias é a questão do PDM [Plano Diretor Municipal] porque estamos a perder população nesta freguesia [Pernes] e em todas as freguesias do concelho, exceto na da cidade”, afirmou o cabeça de lista do PS, Manuel Afonso.

Numa ação de campanha na feira de Pernes, freguesia com 1.300 eleitores inscritos e liderada pelo PS, o candidato criticou o atraso na revisão do plano, que se arrasta “há 16 anos”, e prometeu que, se se for eleito, a Câmara terá de ser “a locomotiva da elaboração do novo PDM que sirva aos interesses de Santarém e que contrarie o despovoamento das freguesias rurais”.

No caso de Pernes, sublinhou, o projeto socialista passará ainda por “encontrar uma solução de consenso” para alterar os limites da freguesia, onde se verifica a situação “caricata” de “o quartel de bombeiros, localizado na povoação, pertencer à freguesia de São Vicente”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A alteração dos limites da freguesia foi um dos vários pedidos que o candidato ouviu dos populares com quem contactou na feira semanal, ao longo de cerca de uma hora de distribuição de panfletos e de um íman magnético, com contactos úteis do concelho.

“Ora aqui está uma coisa muito útil, só por isto vocês já valem 25 tostões”, brincou um habitante local ao receber o íman com o slogan “fazer o que precisa ser feito”.

Para o vendedor de uma banca localizada em frente a um imóvel em ruínas, o que precisa ser feito, em Pernes, é “obrigar o dono a demolir aquela vergonha”. Já numa banca do mercado do peixe a vendedora reclamou uma requalificação do espaço: “Já tive de pintar às minhas custas porque a junta nunca fez nada.”

Evitando “fazer muitas promessas para não parecer oportunismo”, Manuel Afonso lá foi dando dicas sobre o que irá fazer na freguesia se, no dia 26 de setembro, for eleito presidente da autarquia.

Até lá, disse um vendedor de roupas, “são 15 dias só de promessas” até às eleições e depois “quem para lá vai, se não as cumprir, devia era ser penalizado”.

Manuel Afonso vai disputar a Câmara com o atual presidente do município escalabitano, Ricardo Gonçalves (PSD), que concorre a um terceiro mandato, a bloquista Fabíola Cardoso, o comunista André Gomes (CDU), Pedro Frazão (Chega), Alexandre Paulo (CDS-PP), Rita Lopes (PAN) e Marcos Gomes (IL).