Obrigado por ser nosso assinante. Usufrua de leitura ilimitada deste e de todos os artigos do Observador.

O défice do Estado no ano passado ficou em 5,8% do Produto Interno Bruto, de acordo com a notificação feita esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatísticas. Este valor é ligeiramente superior ao inicialmente apontado e contrasta com o saldo positivo (inédito) de 0,1% registado nas contas públicas em 2019.

Nesta revisão em alta do valor do défice de 2020 pesou a incorporação de uma estimativa de perdas associadas às garantias atribuídas pelo Fundo de Contragarantia Mútuo que foi classificado dentro do perímetro das administrações públicas que teve um impacto negativo de 252 milhões de euros no saldo.

No quadro das medidas de combate ao impacto da pandemia na economia, estas garantias ascenderam a 6.330,4 milhões de euros. Estes instrumentos cobrem riscos de crédito comparáveis em muitos casos, o que permitiu uma estimativa fazer “fiável”, apesar do recurso à garantia do Estado ser incerta.

Em sentido contrário, foram revistos em alta os resultados da Segurança Social ao incluir o registo dos pedidos de pagamento de dividas às prestações para regulariza contribuições que foram diferidas no final do ano passado, também por causa da pandemia. Este efeito vale 121 milhões de euros,

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A dívida bruta das administrações públicas atingiu 135,2% do Produto no ano passado, de acordo a notificação relativa ao procedimento dos défice excessivo, divulgada pelo INE.

Para este ano, a meta do défice está fixada pelo Governo em 4,5% do PIB. Dados divulgados também esta quinta-feira indicam que no primeiros semestre o saldo negativo das administrações públicas passou para 5,5%, o que compara com um défice de 5,6% em junho de 2020. Nos primeiros seis meses do ano a receita cresceu mais (6,9%) do que a despesa (6,5%).

Já a taxa de poupança das famílias caiu para 11,5% do rendimento disponível no segundo trimestre do ano, refletindo o aumento de 4,4% do consumo privado. “No 2.º trimestre de 2021, a capacidade de financiamento das famílias diminuiu 2,3 pontos percentuais (p.p.), para 5,2% do PIB e a taxa de poupança fixou-se em 11,5% (14,2% no trimestre anterior), refletindo sobretudo o crescimento de 4,4% do consumo privado (-1,8% no trimestre anterior)”, indica o INE.

No trimestre anterior, a taxa de poupança das famílias tinha atingido o valor mais alto de sempre, refletindo uma redução do consumo durante os primeiros três meses do ano, em que foi decretado um confinamento geral devido à pandemia.