Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os apoiantes de Paulo Rangel vão mesmo avançar com um pedido para um Conselho Nacional Extraordinário e assim tentar forçar a antecipação do próximo Congresso social-democrata. O objetivo é garantir que, em caso de eleições antecipadas, cenário que parece cada vez mais inevitável, o próximo líder do partido estará perfeitamente legitimado para ir a votos.

De resto, Rangel já tinha assumido publicamente que estaria disponível para acelerar o processo eleitoral e antecipar o Congresso do PSD, agendado para a segunda quinzena de janeiro — só depois de entronizado na reunião magna do partido é que qualquer líder do PSD está formalmente em funções.

O passo em frente foi dado pelos conselheiros que apoiam Rangel: de acordo com a informação avançada inicialmente pela TVI24, e confirmada entretanto pelo Observador, já circula um requerimento para organizar um Conselho Nacional Extraordinário no prazo de cinco dias e assim levar à votação a antecipação do Congresso, originalmente agendado para 14, 15 e 16 de janeiro.

“A preparação e prontidão do PSD para as eventuais eleições legislativas antecipadas beneficiaria com a realização do Congresso Nacional do PSD em período mais próximo das eleições diretas e ainda no mês de dezembro de 2021”, argumenta o texto do requerimento.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para que o Conselho Nacional Extraordinário aconteça, serão necessárias as assinaturas de um quinto dos conselheiros, o que, atendendo ao número de apoiantes de Rangel e à aparente disponibilidade da direção de Rui Rio para acolher o pedido, a hipótese é mais do que provável.

A questão do calendário tem sido um dos grandes braços de ferro entre Rui Rio e Paulo Rangel. O líder do PSD defendeu o adiamento das eleições internas para precaver um eventual chumbo do Orçamento do Estado — chumbo que deve mesmo a confirmar-se. Rangel sempre desvalorizou a hipótese mas, com o precipitar da crise política, acabou por reforçar a convicção de que o Congresso pode e deve ser antecipado.

Em teoria, num eventual cenário de vitória de Rangel e tendo o partido de apresentar listas de deputados à Assembleia da República cerca de 40 dias antes das eleições legislativas (que Marcelo Rebelo de Sousa defendeu publicamente que fossem logo que possível), o PSD poderia ficar numa situação esdrúxula: ser outro que não o vencedor das eleições internas do partido a preparar todo o processo eleitoral e a escolher os respetivos candidatos.

Colocava-se, então, a bola no campo de Marcelo Rebelo de Sousa: podia ou não o Presidente da República adiar as próximas eleições legislativas para uma data em que os dois partidos à direita (PSD e CDS, ambos a braços com eleições internas) estivessem reorganizados? Publicamente, Marcelo tem dito exatamente o contrário: as eleições têm de acontecer o mais rapidamente possível, eventualmente a 16 de janeiro.

Ora, a decisão de tentar forçar a antecipação do Congresso do PSD surge depois de Paulo Rangel ter sido recebido por Marcelo Rebelo de Sousa, em Belém. E, de acordo com o Expresso, o Presidente da República terá lembrado ao eurodeputado que, no passado, a reunião magna do PSD já foi antecipada em 15 dias — dando assim respaldo à intenção dos apoiantes de Rangel.

Depois da conversa com Marcelo, as coisas precipitaram-se nesse sentido: Rangel, que tinha defendido a antecipação do Congresso como hipótese meramente académica, vai mesmo propô-la ao partido. Resta saber se houve ou não uma relação de casualidade entre a posição assumida pelo Presidente da República e a decisão dos apoiantes do eurodeputado.

Rangel tem task force para lançar bases de programa eleitoral em caso de crise política

Rio irritado com Marcelo

Quem não gostou do encontro entre Rangel e Marcelo em Belém foi Rui Rio. Esta manhã, no Parlamento, o líder do PSD disse que não era “minimamente aceitável que o chefe de Estado” pudesse “combinar” datas de eleições de partidos com eventuais candidatos.

“Acho muito estranho que o Presidente da República receba um putativo candidato à liderança de um partido. Se ainda por cima o que foram tratar é a data das legislativas e as diretas do PSD”, afirmou Rui Rio.

O líder social-democrata — que vai defender a realização de eleições legislativas o quanto antes, a 9 ou a 16 de janeiro — sempre argumentou que o país não poderia esperar pela clarificação interna do PSD para ir a votos — daí ter tentado adiar as diretas no partido, intenção que o Conselho Nacional do partido chumbou.

Esta manhã, Rio reiterou-o: “Significa que vamos condicionar o país às diretas do PSD, quando ainda por cima o presidente do PSD, que sou eu, explicou ao Conselho Nacional que isto podia acontecer. Na marcação de eleições legislativas antecipadas o que comanda o meu pensamento e ação é o que é melhor para o país e não para o PSD. Que isto fique claro e quem não gostar que vote contra nas diretas do PSD.”

Já no final do dia de terça-feira, Rui Rio tinha sido surpreendido pelos jornalistas com a informação, divulgada oficialmente pela Presidência da República, de que Rangel tinha sido recebido por Marcelo em Belém.

Sem esconder o incómodo com o sucedido, Rio falou ainda da igualmente assumida tentativa de Marcelo de interferir na votação do Orçamento do Estado. “Se fez [diligências] junto de partidos acho que é legítimo, se fez avulsamente já não me parece a forma mais ortodoxa de agir, mas não posso falar de uma coisa que desconheço”, atirou Rio.